One place for hosting & domains

      Como usar o subprocess para executar programas externos em Python 3


      O autor selecionou a COVID-19 Relief Fund​​​​​ para receber uma doação como parte do programa Write for DOnations.

      Introdução

      O Python 3 inclui o módulo subprocess para executar programas externos e ler suas saídas em seu código Python.

      Você pode achar o subprocess útil se quiser usar outro programa em seu computador dentro do seu código Python. Por exemplo, você pode querer invocar o git dentro do seu código Python para recuperar arquivos em seu projeto que são rastreados no controle de versão git. Como qualquer programa que você possa acessar em seu computador pode ser controlado pelo subprocess, os exemplos mostrados aqui serão aplicáveis a qualquer programa externo que você queira invocar a partir do seu código Python.

      O subprocess inclui várias classes e funções, mas neste tutorial, vamos cobrir uma das funções mais úteis do subprocess: subprocess.run. Vamos revisar seus diferentes usos e principais argumentos de palavra-chave.

      Pré-requisitos

      Para tirar o máximo proveito deste tutorial, recomenda-se ter alguma familiaridade com programação em Python 3. Você pode revisar esses tutoriais para as informações básicas necessárias:

      Executando um programa externo

      Você pode usar a função subprocess.run para executar um programa externo a partir do seu código Python. Primeiro, porém, você precisa importar os módulos subprocess e sys para seu programa:

      import subprocess
      import sys
      
      result = subprocess.run([sys.executable, "-c", "print('ocean')"])
      

      Se você executar isso, receberá uma saída como a seguinte:

      Output

      ocean

      Vamos revisar este exemplo:

      • sys.executable é o caminho absoluto para o executável Python com o qual seu programa foi originalmente invocado. Por exemplo, sys.executable pode ser um caminho como /usr/local/bin/python.
      • subprocess.run recebe uma lista de strings que consistem nos componentes do comando que estamos tentando executar. Como a primeira string que passamos é sys.executable, estamos instruindo subprocess.run a executar um novo programa Python.
      • O componente -c é uma opção de linha de comando python que lhe permite passar uma string com um programa Python inteiro para executar. Em nosso caso, passamos um programa que imprime a string ocean.

      Você pode pensar em cada entrada na lista que passamos para subprocess.run como sendo separadas por um espaço. Por exemplo, [sys.executable, "-c", "print('ocean')"] traduz aproximadamente para /usr/local/bin/python -c "print('ocean')". Observe que o subprocess automaticamente coloca aspas nos componentes do comando antes de tentar executá-los no sistema operacional subjacente para que, por exemplo, você possa passar um nome de arquivo que tenha espaços nele.

      Atenção: nunca passe entrada não confiável para subprocess.run. Como o subprocess.run tem a capacidade de executar comandos arbitrários em seu computador, indivíduos maliciosos podem usá-lo para manipular seu computador de maneiras inesperadas.

      Capturando a saída de um programa externo

      Agora que podemos invocar um programa externo usando subprocess.run, vamos ver como podemos capturar a saída desse programa. Por exemplo, este processo poderia ser útil se quiséssemos usar git ls-files para exibir todos os seus arquivos atualmente armazenados sob o controle de versão.

      Nota: os exemplos mostrados nesta seção exigem Python 3.7 ou superior. Em particular, os argumentos de palavra-chave capture_output e text foram adicionados ao Python 3.7 quando ele foi lançado em junho de 2018.

      Vamos adicionar ao nosso exemplo anterior:

      import subprocess
      import sys
      
      result = subprocess.run(
          [sys.executable, "-c", "print('ocean')"], capture_output=True, text=True
      )
      print("stdout:", result.stdout)
      print("stderr:", result.stderr)
      

      Se executarmos esse código, receberemos um resultado como o seguinte:

      Output

      stdout: ocean stderr:

      Este exemplo é em grande parte o mesmo que o introduzido na primeira seção: ainda estamos executando um subprocesso para imprimir ocean. É importante ressaltar, no entanto, que passamos os argumentos de palavra-chave capture_output=True e text=True para subprocess.run.

      subprocess.run retorna um objeto subprocess.CompletedProcess que está vinculado a result. O objeto subprocess.CompletedProcess inclui detalhes sobre o código de saída do programa externo e sua saída. capture_output=True garante que result.stdout e result.stderr estejam preenchidos com a saída correspondente do programa externo. Por padrão, result.stdout e result.stderr são vinculados como bytes, mas o argumento de palavra-chave text=True instrui o Python a, em vez disso, decodificar os bytes em strings.

      Na seção output stdout é ocean (mais uma nova linha final que print adiciona implicitamente), e não temos nenhum stderr.

      Vamos tentar um exemplo que produz um valor não vazio para stderr:

      import subprocess
      import sys
      
      result = subprocess.run(
          [sys.executable, "-c", "raise ValueError('oops')"], capture_output=True, text=True
      )
      print("stdout:", result.stdout)
      print("stderr:", result.stderr)
      

      Se executarmos esse código, receberemos uma saída como a seguinte:

      Output

      stdout: stderr: Traceback (most recent call last): File "<string>", line 1, in <module> ValueError: oops

      Este código executa um subprocesso Python que imediatamente gera um erro de ValueError. Quando inspecionamos o result final, não vemos nada em stdout e um Traceback de nosso ValueError em stderr. Isso ocorre porque, por padrão, o Python escreve o Traceback da exceção não tratada em stderr.

      Gerando uma exceção em um código de saída ruim

      Às vezes, é útil gerar uma exceção se um programa que executamos termine com um código de saída ruim. Os programas que terminam com um código zero são considerados bem sucedidos, mas programas que terminam com um código não zero são considerados como tendo encontrado um erro. Como um exemplo, esse padrão poderia ser útil se quiséssemos gerar uma exceção no caso em que executamos git ls-files em um diretório que não fosse realmente um repositório git.

      Podemos usar o argumento de palavra-chave check=True para subprocess.run para ter uma exceção gerada se o programa externo retornar um código de saída não zero:

      import subprocess
      import sys
      
      result = subprocess.run([sys.executable, "-c", "raise ValueError('oops')"], check=True)
      

      Se executarmos esse código, receberemos uma saída como a seguinte:

      Output

      Traceback (most recent call last): File "<string>", line 1, in <module> ValueError: oops Traceback (most recent call last): File "<stdin>", line 1, in <module> File "/usr/local/lib/python3.8/subprocess.py", line 512, in run raise CalledProcessError(retcode, process.args, subprocess.CalledProcessError: Command '['/usr/local/bin/python', '-c', "raise ValueError('oops')"]' returned non-zero exit status 1.

      Esta saída mostra que executamos um subprocesso que gerou um erro, que é impresso em stderr em nosso terminal. Em seguida, subprocess.run criou devidamente um subprocess.CalledProcessError por nós em nosso programa Python principal.

      Alternativamente, o módulo subprocess também inclui o método subprocess.CompletedProcess.check_returncode, que podemos invocar para um efeito semelhante:

      import subprocess
      import sys
      
      result = subprocess.run([sys.executable, "-c", "raise ValueError('oops')"])
      result.check_returncode()
      

      Se executarmos este código, receberemos:

      Output

      Traceback (most recent call last): File "<string>", line 1, in <module> ValueError: oops Traceback (most recent call last): File "<stdin>", line 1, in <module> File "/usr/local/lib/python3.8/subprocess.py", line 444, in check_returncode raise CalledProcessError(self.returncode, self.args, self.stdout, subprocess.CalledProcessError: Command '['/usr/local/bin/python', '-c', "raise ValueError('oops')"]' returned non-zero exit status 1.

      Como não passamos check=True para subprocess.run, vinculamos com sucesso uma instância de subprocess.CompletedProcess a result, mesmo que nosso programa seja encerrado com um código diferente de zero. Chamar result.check_returncode(), no entanto, gera um subprocess.CalledProcessError porque ele detecta que o processo finalizado foi encerrado com um código ruim.

      Usando o timeout para sair de programas mais cedo

      subprocess.run inclui o argumento timeout para permitir que você pare um programa externo se estiver levando muito tempo para executar:

      import subprocess
      import sys
      
      result = subprocess.run([sys.executable, "-c", "import time; time.sleep(2)"], timeout=1)
      

      Se executarmos esse código, receberemos um resultado como o seguinte:

      Output

      Traceback (most recent call last): File "<stdin>", line 1, in <module> File "/usr/local/lib/python3.8/subprocess.py", line 491, in run stdout, stderr = process.communicate(input, timeout=timeout) File "/usr/local/lib/python3.8/subprocess.py", line 1024, in communicate stdout, stderr = self._communicate(input, endtime, timeout) File "/usr/local/lib/python3.8/subprocess.py", line 1892, in _communicate self.wait(timeout=self._remaining_time(endtime)) File "/usr/local/lib/python3.8/subprocess.py", line 1079, in wait return self._wait(timeout=timeout) File "/usr/local/lib/python3.8/subprocess.py", line 1796, in _wait raise TimeoutExpired(self.args, timeout) subprocess.TimeoutExpired: Command '['/usr/local/bin/python', '-c', 'import time; time.sleep(2)']' timed out after 0.9997982999999522 seconds

      O subprocesso que tentamos executar usou a função time.sleep para colocá-lo em repouso por 2 segundos. No entanto, passamos o argumento de palavra-chave timeout=1 para subprocess.run para expirar nosso subprocesso após 1 segundo. Isso explica por que nossa chamada para subprocess.run finalmente gerou uma exceção subprocess.TimeoutExpired.

      Observe que o argumento de palavra-chave timeout para subprocess.run é aproximado. Python fará um melhor esforço para matar o subprocesso após o número de segundos de timeout, mas ele não será necessariamente exato.

      Passando a entrada para programas

      Às vezes, os programas esperam que a entrada seja passada para eles via stdin.

      O argumento de palavra-chave input para subprocess.run permite que você passe dados para o stdin do subprocesso. Por exemplo:

      import subprocess
      import sys
      
      result = subprocess.run(
          [sys.executable, "-c", "import sys; print(sys.stdin.read())"], input=b"underwater"
      )
      

      Receberemos uma saída como a seguinte depois de executar este código:

      Output

      underwater

      Neste caso, passamos os bytes underwater para input. Nosso subprocesso alvo usou sys.stdin para ler o que foi passado em stdin (underwater) e o imprimiu em nossa saída.

      O argumento de palavra-chave input pode ser útil se você quiser encadear várias chamadas subprocess.run juntas passando a saída de um programa como a entrada para outro.

      Conclusão

      O módulo subprocess é uma parte poderosa da biblioteca padrão Python que permite que você execute programas externos e inspecione suas saídas com facilidade. Neste tutorial, você aprendeu a usar subprocess.run para controlar programas externos, passar a entrada para eles, analisar sua saída e verificar seus códigos de retorno.

      O módulo subprocess expõe classes e utilitários adicionais que não abordamos neste tutorial. Agora que você tem um conhecimento básico, você pode usar a documentação do módulo subprocess para aprender mais sobre outras classes e utilitários disponíveis.



      Source link