One place for hosting & domains

      Ambiente

      Como Instalar o Go e Configurar um Ambiente de Programação Local no macOS


      Introdução

      Go é uma linguagem de programação que nasceu da frustração no Google. Os desenvolvedores precisavam escolher continuamente uma linguagem que fosse executada com eficiência, mas demoravam muito tempo para compilar ou escolher uma linguagem fácil de programar, mas que era executada de forma ineficiente em produção. O Go foi projetado para ter todas as três características disponíveis ao mesmo tempo: compilação rápida, facilidade de programação e execução eficiente em produção.

      Embora o Go seja uma linguagem de programação versátil que pode ser usada para muitos projetos de programação diferentes, ela é particularmente adequada para programas de rede/sistemas distribuídos e ganhou a reputação de ser “a linguagem da nuvem”. Ela se concentra em ajudar o programador moderno a fazer mais com um conjunto forte de ferramentas, removendo debates sobre formatação ao tornar o formato parte da especificação da linguagem, bem como ao facilitar o deploy ao compilar para um único binário. O Go é fácil de aprender, com um conjunto muito pequeno de palavras-chave, o que o torna uma ótima opção para iniciantes e igualmente para desenvolvedores experientes.

      Este tutorial irá guiá-lo pela instalação do Go em sua máquina local com macOS e da configuração de um workspace de programação através da linha de comando.

      Pré-requisitos

      Você precisará de um computador com macOS com acesso administrativo e que esteja conectado à Internet.

      Passo 1 — Abrindo o Terminal

      Você estará concluindo a instalação e a configuração na linha de comando, que é uma maneira não gráfica de interagir com seu computador. Ou seja, em vez de clicar nos botões, você digitará texto e receberá retornos do seu computador por meio de texto também. A linha de comando, também conhecida como shell, pode ajudá-lo a modificar e automatizar muitas das tarefas que você faz em um computador todos os dias, e é uma ferramenta essencial para desenvolvedores de software.

      O Terminal do macOS é um aplicativo que você pode usar para acessar a interface da linha de comando. Como qualquer outro aplicativo, você pode encontrá-lo indo até o Finder, navegando até a pasta Aplicativos e, em seguida, na pasta Utilitários. A partir daqui, dê um clique duplo no Terminal como qualquer outro aplicativo para abri-lo. Alternativamente, você pode usar o Spotlight mantendo pressionadas as teclas CMD e SPACE para localizar o Terminal digitando-o na caixa que aparece.

      macOS Terminal

      Existem muitos outros comandos do Terminal para aprender que podem permitir que você faça coisas mais poderosas. O artigo “An Introduction to the Linux Terminal” pode te orientar melhor com o terminal do Linux, que é semelhante ao teminal do macOS.

      Agora que você abriu o Terminal, pode fazer o download e instalar o Xcode, um pacote de ferramentas de desenvolvedor que você precisará para instalar o Go.

      Passo 2 — Instalando o Xcode

      O Xcode é um integrated development environment ou ambiente de desenvolvimento integrado (IDE) composto de ferramentas de desenvolvimento de software para macOS. Você pode verificar se o Xcode já está instalado, digitando o seguinte na janela do Terminal:

      A saída a seguir significa que o Xcode está instalado:

      Output

      /Library/Developer/CommandLineTools

      Se você recebeu um erro em seu navegador web, instale o Xcode a partir da App Store e aceite as opções padrão.

      Quando o Xcode estiver instalado, retorne à janela do Terminal. Em seguida, você precisará instalar o app separado de Ferramentas de Linha de Comando do Xcode, que pode ser feito digitando:

      Neste ponto, o Xcode e seu app de Ferramentas de Linha de Comando estão totalmente instalados e estamos prontos para instalar o gerenciador de pacotes Homebrew.

      Passo 3 — Instalando e Configurando o Homebrew

      Embora o Terminal do macOS tenha muitas das funcionalidades dos Terminais Linux e de outros sistemas Unix, ele não é fornecido com um gerenciador de pacotes que acomoda as melhores práticas. Um gerenciador de pacotes é uma coleção de ferramentas de software que trabalham para automatizar processos de instalação que incluem instalação inicial de software, atualização e configuração de software, e remoção de software conforme necessário. Eles mantêm instalações em um local central e podem manter todos os pacotes de software no sistema em formatos comumente usados. Homebrew fornece ao macOS um sistema gerenciador de pacotes de software livre e de código aberto que simplifica a instalação de software no macOS.

      Para instalar o Homebrew, digite isso na sua janela de Terminal:

      • /usr/bin/ruby -e "$(curl -fsSL https://raw.githubusercontent.com/Homebrew/install/master/install)"

      O Homebrew é feito em Ruby, assim ele irá modificar o caminho do Ruby do seu computador. O comando curl baixa um script da URL especificada. Este script explicará o que ele fará e, em seguida, fará uma pausa no processo para solicitar sua confirmação. Isso lhe fornece uma série de comentários sobre o que o script vai fazer no seu sistema e dá a você a oportunidade de verificar o processo.

      Se você precisar digitar sua senha, observe que suas teclas não serão exibidas na janela do Terminal, mas serão gravadas. Basta pressionar a tecla return ou enter depois de inserir sua senha. Caso contrário, pressione a letra y para “sim” quando você for solicitado a confirmar a instalação.

      Vamos dar uma olhada nas flags associadas ao comando curl:

      • A flag -f ou --fail informa à janela do Terminal para não dar saída de documento HTML nos erros de servidor.
      • A flag -s ou --silent silencia o curl para que ele não mostre o medidor de progresso, e combinada com a flag -S ou --show-error ela irá assegurar que curl mostre uma mensagem de erro se falhar.
      • A flag -L ou --location informará ao curl para refazer a solicitação para um novo local se o servidor informar que a página solicitada foi movida para um local diferente.

      Quando o processo de instalação estiver concluído, colocaremos o diretório Homebrew no começo da variável de ambiente PATH. Isso garantirá que as instalações do Homebrew serão chamadas antes das ferramentas que o macOS possa selecionar automaticamente e que podem ser executadas em contraposição ao ambiente de desenvolvimento que estamos criando.

      Você deve criar ou abrir o arquivo ~/.bash_profile com o editor de texto de linha de comando nano usando o comando nano:

      Quando o arquivo abrir na janela do Terminal, escreva o seguinte:

      export PATH=/usr/local/bin:$PATH
      

      Para salvar suas alterações, mantenha pressionada a tecla CTRL e a letra o e, quando solicitado, pressione a tecla RETURN. Agora você pode sair do nano segurando a tecla CTRL e a letra x.

      Ative essas alterações executando o seguinte no Terminal:

      Depois de fazer isso, as alterações feitas na variável de ambiente PATH entrarão em vigor.

      Você pode ter certeza de que o Homebrew foi instalado com sucesso digitando:

      Se nenhuma atualização for necessária neste momento, a saída do Terminal mostrará:

      Output

      Your system is ready to brew.

      Caso contrário, você pode receber um aviso para executar outro comando, como brew update, para garantir que sua instalação do Homebrew esteja atualizada.

      Uma vez que o Homebrew está pronto, você pode instalar o Go.

      Passo 4 — Instalando o Go

      Você pode usar o Homebrew para procurar por todos os pacotes disponíveis com o comando brew search. Para o propósito deste tutorial, você irá procurar por pacotes ou módulos relacionados ao Go:

      Nota: Este tutorial não usa brew search go, pois isso retorna muitos resultados. Como go é uma palavra muito pequena e combinaria com muitos pacotes, tornou-se comum usar golang como termo de busca. Essa é uma prática comum quando se pesquisa na Internet por artigos relacionados ao Go também. O termo Golang nasceu a partir do domínio para o Go, que é golang.org.

      O Terminal mostrará uma lista do que você pode instalar:

      Output

      golang golang-migrate

      O Go estará entre os itens da lista. Vá em frente e instale-o:

      A janela do Terminal lhe dará feedback sobre o processo de instalação do Go. Pode demorar alguns minutos antes da conclusão da instalação.

      Para verificar a versão do Go que você instalou, digite o seguinte:

      Isso mostrará a versão específica do Go que está atualmente instalada, que por padrão será a versão mais atualizada e estável do Go disponível.

      No futuro, para atualizar o Go, você pode executar os seguintes comandos para atualizar o Homebrew e depois atualizar o Go. Você não precisa fazer isso agora, pois acabou de instalar a versão mais recente:

      • brew update
      • brew upgrade golang

      brew update atualizará as fórmulas para o próprio Homebrew, garantindo que você tenha as informações mais recentes sobre os pacotes que deseja instalar. brew upgrade golang atualizará o pacote golang para a sua última versão.

      É uma boa prática garantir que sua versão do Go esteja atualizada.

      Com o Go instalado no seu computador, você está pronto para criar um workspace para seus projetos de Go.

      Passo 5 — Criando o seu Workspace Go

      Agora que você tem o Xcode, Homebrew e Go instalados, você pode criar seu workspace de programação.

      O workspace do Go conterá dois diretórios em sua raiz:

      • src: O diretório que contém os arquivos-fonte do Go. Um arquivo-fonte é um arquivo que você escreve usando a linguagem de programação Go. Arquivos-fonte são usados pelo compilador Go para criar um arquivo binário executável.
      • bin: O diretório que contém executáveis compilados e instalados pelas ferramentas Go. Executáveis são arquivos binários que são executados em seu sistema e executam tarefas. Estes são normalmente os programas compilados a partir do seu código-fonte ou outro código-fonte Go baixado.

      O subdiretório src pode conter vários repositórios de controle de versão (tais como o Git, o Mercurial, e o Bazaar). Você verá diretórios como github.com, golang.org ou outros quando seu programa importar bibliotecas de terceiros. Se você estiver usando um repositório de código como o github.com, você também colocará seus projetos e arquivos-fonte nesse diretório. Isso permite uma importação canônica de código em seu projeto. As importações Canônicas são importações que fazem referência a um pacote completo, como o github.com/digitalocean/godo.

      Aqui está como pode se parecer um workspace típico:

      .
      ├── bin
      │   ├── buffalo                                      # comando executável
      │   ├── dlv                                          # comando executável
      │   └── packr                                        # comando executável
      └── src
          └── github.com
              └── digitalocean
                  └── godo
                      ├── .git                            # metadados do repositório do Git
                      ├── account.go                      # fonte do pacote
                      ├── account_test.go                 # fonte do teste
                      ├── ...
                      ├── timestamp.go
                      ├── timestamp_test.go
                      └── util
                          ├── droplet.go
                          └── droplet_test.go
      

      O diretório padrão para o workspace Go a partir da versão 1.8 é o diretório home do usuário com um subdiretório go ou $HOME/go. Se você estiver usando uma versão anterior à 1.8 do Go, ainda é considerado uma boa prática usar o local $HOME/go para o seu workspace.

      Execute o seguinte comando para criar a estrutura de diretórios para o seu workspace Go:

      • mkdir -p $HOME/go/{bin,src}

      A opção -p diz ao mkdir para criar todos os subdiretórios no diretório, mesmo que eles não existam atualmente. A utilização do {bin, src} cria um conjunto de argumentos para mkdir e diz para ele criar tanto o diretóriobin quanto o diretório src.

      Isso garantirá que a seguinte estrutura de diretórios esteja em vigor:

      └── $HOME
          └── go
              ├── bin
              └── src
      

      Antes do Go 1.8, era necessário definir uma variável de ambiente local chamada $GOPATH. Embora não seja mais explicitamente exigido fazer isso, ainda é considerada uma boa prática, pois muitas ferramentas de terceiros ainda dependem da configuração dessa variável.

      Você pode definir seu $GOPATH adicionando-o ao seu ~/.bash_profile.

      Primeiro, abra ~/.bash_profile com o nano ou seu editor de texto preferido:

      Defina seu $GOPATH adicionando o seguinte ao arquivo:

      ~/.bash_profile

      export GOPATH=$HOME/go
      

      Quando o Go compila e instala ferramentas, ele as coloca no diretório $GOPATH/bin. Por conveniência, é comum adicionar o subdiretório /bin do workspace ao seu PATH no seu arquivo ~/.bash_profile:

      ~/.bash_profile

      export PATH=$PATH:$GOPATH/bin
      

      Agora você deve ter as seguintes entradas no seu ~/.bash_profile:

      ~/.bash_profile

      export GOPATH=$HOME/go
      export PATH=$PATH:$GOPATH/bin
      

      Agora, isso permitirá que você execute todos os programas compilados ou baixados por meio das ferramentas Go em qualquer parte do seu sistema.

      Para atualizar seu shell, execute o seguinte comando para carregar as variáveis globais que você acabou de criar:

      Você pode verificar que seu $PATH está atualizado usando o comando echo e inspecionando a saída:

      Você deve ver seu $GOPATH/bin, que aparecerá no seu diretório home. Se você estivesse logado como sammy, você veria /Users/sammy/go/bin no caminho.

      Output

      /Users/sammy/go/bin:/usr/local/sbin:/usr/local/bin:/usr/bin:/bin:/usr/sbin:/sbin

      Agora que você tem a raiz do workspace criada e sua variável de ambiente $GOPATH definida, você pode criar seus projetos futuros com a seguinte estrutura de diretórios. Este exemplo assume que você está usando o github.com como seu repositório:

      $GOPATH/src/github.com/username/project
      

      Se você estivesse trabalhando no projeto https://github.com/digitalocean/godo, você iria colocá-lo no seguinte diretório:

      $GOPATH/src/github.com/digitalocean/godo
      

      Estruturar seus projetos dessa maneira tornará os projetos disponíveis com a ferramenta go get. Isso também ajudará a legibilidade mais tarde.

      Você pode verificar isso usando o comando go get para buscar a biblioteca godo:

      • go get github.com/digitalocean/godo

      Você pode ver se baixou com sucesso o pacote godo listando o diretório:

      • ls -l $GOPATH/src/github.com/digitalocean/godo

      Você deve ver uma saída semelhante a esta:

      Output

      -rw-r--r-- 1 sammy staff 2892 Apr 5 15:56 CHANGELOG.md -rw-r--r-- 1 sammy staff 1851 Apr 5 15:56 CONTRIBUTING.md . . . -rw-r--r-- 1 sammy staff 4893 Apr 5 15:56 vpcs.go -rw-r--r-- 1 sammy staff 4091 Apr 5 15:56 vpcs_test.go

      Neste passo, você criou um workspace Go e configurou as variáveis de ambiente necessárias. No próximo passo, você testará o workspace com algum código.

      Passo 6 — Criando um Programa Simples

      Agora que você tem o workspace Go configurado, é hora de criar um simples programa “Hello, World!”. Isso garantirá que o workspace esteja configurado corretamente e também lhe dará a oportunidade de se familiarizar com o Go.

      Como estamos criando um único arquivo-fonte Go, e não um projeto real, não precisamos estar em nosso workspace para fazer isso.

      A partir do seu diretório home, abra um editor de texto de linha de comando, como o nano, e crie um novo arquivo:

      Quando o arquivo de texto abrir no Terminal, digite seu programa:

      package main
      
      import "fmt"
      
      func main() {
          fmt.Println("Hello, World!")
      }
      

      Saia do nano pressionando as teclas control e x, e quando solicitado a salvar o arquivo, pressione y.

      Este código usará o pacote fmt e chamará a função Println com Hello, World! como argumento. Isso fará com que a frase Hello, World! seja impressa no terminal quando o programa for executado.

      Ao sair do nano e retornar ao seu shell, execute o programa:

      O programa hello.go que você acabou de criar fará com que o Terminal produza a seguinte saída:

      Output

      Hello, World!

      Neste passo, você usou um programa básico para verificar se seu workspace Go está configurado corretamente.

      Conclusão

      Parabéns! Neste ponto, você tem um workspace de programação Go configurado em sua máquina local com macOS e pode começar um projeto de codificação!



      Source link

      Como Instalar o Go e Configurar um Ambiente de Programação Local no Ubuntu 18.04


      Introdução

      Go é uma linguagem de programação que nasceu da frustração no Google. Os desenvolvedores precisavam escolher continuamente uma linguagem que fosse executada com eficiência, mas demoravam muito tempo para compilar ou escolher uma linguagem fácil de programar, mas que era executada de forma ineficiente em produção. O Go foi projetado para ter todas as três características disponíveis ao mesmo tempo: compilação rápida, facilidade de programação e execução eficiente em produção.

      Embora o Go seja uma linguagem de programação versátil que pode ser usada para muitos projetos de programação diferentes, ela é particularmente adequada para programas de rede/sistemas distribuídos e ganhou a reputação de ser “a linguagem da nuvem”. Ela se concentra em ajudar o programador moderno a fazer mais com um conjunto forte de ferramentas, removendo debates sobre formatação ao tornar o formato parte da especificação da linguagem, bem como ao facilitar o deploy ao compilar para um único binário. O Go é fácil de aprender, com um conjunto muito pequeno de palavras-chave, o que o torna uma ótima opção para iniciantes e igualmente para desenvolvedores experientes.

      Este tutorial irá guiá-lo pela instalação e configuração de um workspace de programação com o Go via linha de comando. Este tutorial cobrirá explicitamente o procedimento de instalação para o Ubuntu 18.04, mas os princípios gerais podem se aplicar a outras distribuições Debian Linux.

      Pré-requisitos

      Você precisará de um computador ou máquina virtual com o Ubuntu 18.04 instalado, além de ter acesso administrativo a essa máquina e uma conexão à Internet. Você pode baixar este sistema operacional através da página de releases do Ubuntu 18.04.

      Passo 1 — Configurando o Go

      Neste passo, você instalará o Go fazendo o download da versão atual da página oficial de downloads do Go.

      Para fazer isso, você vai querer encontrar a URL para o tarball do binário da versão atual. Você também vai querer anotar o hash SHA256 listado ao lado dele, pois você usará esse hash para verificar o arquivo baixado.

      Você estará concluindo a instalação e a configuração na linha de comando, que é uma maneira não gráfica de interagir com seu computador. Ou seja, em vez de clicar nos botões, você digitará texto e receberá retornos do seu computador por meio de texto também.

      A linha de comando, também conhecida como shell ou terminal, pode ajudá-lo a modificar e automatizar muitas das tarefas que você faz em um computador todos os dias e é uma ferramenta essencial para desenvolvedores de software. Existem muitos comandos de terminal para aprender que podem permitir que você faça coisas mais poderosas. Para mais informações sobre a linha de comando, confira o tutorial Introdução ao Terminal do Linux.

      No Ubuntu 18.04, você pode encontrar o aplicativo Terminal clicando no ícone do Ubuntu no canto superior esquerdo da tela e digitando terminal na barra de pesquisa. Clique no ícone do aplicativo Terminal para abri-lo. Alternativamente, você pode pressionar as teclas CTRL,ALT e T no teclado simultaneamente para abrir o aplicativo Terminal automaticamente.

      Ubuntu Terminal

      Quando o terminal estiver aberto, você instalará manualmente os binários do Go. Embora você possa usar um gerenciador de pacotes, como o apt-get, percorrer as etapas de instalação manual o ajudará a entender as alterações de configuração necessárias ao sistema para ter um workspace Go válido.

      Antes de baixar o Go, certifique-se de estar no diretório home (~):

      Use o curl para recuperar a URL do tarball que você copiou da página oficial de downloads do Go:

      • curl -O https://dl.google.com/go/go1.12.1.linux-amd64.tar.gz

      Em seguida, use sha256sum para verificar o tarball:

      • sha256sum go1.12.1.linux-amd64.tar.gz

      O hash que é exibido a partir da execução do comando acima deve corresponder ao hash que estava na página de downloads. Se não, então este não é um arquivo válido e você deve baixar o arquivo novamente.

      Output

      2a3fdabf665496a0db5f41ec6af7a9b15a49fbe71a85a50ca38b1f13a103aeec go1.12.1.linux-amd64.tar.gz

      Em seguida, extraia o arquivo baixado e instale-o no local desejado no sistema. É considerado uma boa prática mantê-lo em /usr/local:

      • sudo tar -xvf go1.12.1.linux-amd64.tar.gz -C /usr/local

      Você terá agora um diretório chamado go no diretório /usr/local. Em seguida, altere recursivamente o proprietário e o grupo deste diretório para root:

      • sudo chown -R root:root /usr/local/go

      Isso protegerá todos os arquivos e garantirá que apenas o usuário root possa executar os binários do Go.

      Nota: Embora /usr/local/go seja o local oficialmente recomendado, alguns usuários podem preferir ou exigir caminhos diferentes.

      Nesta etapa, você baixou e instalou o Go na sua máquina Ubuntu 18.04. Na próxima etapa, você configurará seu workspace de Go.

      Passo 2 — Criando seu Workspace de Go

      Você pode criar seu workspace de programação agora que o Go está instalado. O workspace do Go conterá dois diretórios em sua raiz:

      • src: O diretório que contém os arquivos-fonte do Go. Um arquivo-fonte é um arquivo que você escreve usando a linguagem de programação Go. Arquivos-fonte são usados pelo compilador Go para criar um arquivo binário executável.
      • bin: O diretório que contém executáveis compilados e instalados pelas ferramentas Go. Executáveis são arquivos binários que são executados em seu sistema e executam tarefas. Estes são normalmente os programas compilados a partir do seu código-fonte ou outro código-fonte Go baixado.

      O subdiretório src pode conter vários repositórios de controle de versão (tais como o Git, o Mercurial, e o Bazaar). Isso permite uma importação canônica de código em seu projeto. As importações canônicas são importações que fazem referência a um pacote completo, como o github.com/digitalocean/godo.

      Você verá diretórios como github.com, golang.org ou outros quando seu programa importar bibliotecas de terceiros. Se você estiver usando um repositório de código como o github.com, você também colocará seus projetos e arquivos-fonte nesse diretório. Vamos explorar esse conceito mais adiante neste passo.

      Aqui está como pode se parecer um workspace típico:

      .
      ├── bin
      │   ├── buffalo                                      # comando executável
      │   ├── dlv                                          # comando executável
      │   └── packr                                        # comando executável
      └── src
          └── github.com
              └── digitalocean
                  └── godo
                      ├── .git                            # metadados do repositório do Git
                      ├── account.go                      # fonte do pacote
                      ├── account_test.go                 # fonte do teste
                      ├── ...
                      ├── timestamp.go
                      ├── timestamp_test.go
                      └── util
                          ├── droplet.go
                          └── droplet_test.go
      

      O diretório padrão para o workspace Go a partir da versão 1.8 é o diretório home do usuário com um subdiretório go ou $HOME/go. Se você estiver usando uma versão anterior à 1.8 do Go, ainda é considerado uma boa prática usar o local $HOME/go para o seu workspace.

      Execute o seguinte comando para criar a estrutura de diretórios para o seu workspace Go:

      • mkdir -p $HOME/go/{bin,src}

      A opção -p diz ao mkdir para criar todos os subdiretórios no diretório, mesmo que eles não existam atualmente. A utilização do {bin, src} cria um conjunto de argumentos para mkdir e diz para ele criar tanto o diretóriobin quanto o diretório src.

      Isso garantirá que a seguinte estrutura de diretórios esteja em vigor:

      └── $HOME
          └── go
              ├── bin
              └── src
      

      Antes do Go 1.8, era necessário definir uma variável de ambiente local chamada $GOPATH. $GOPATH diz ao compilador onde encontrar o código-fonte importado de terceiros, bem como qualquer código-fonte local que você tenha escrito. Embora não seja mais explicitamente exigido, ainda é considerada uma boa prática, pois muitas ferramentas de terceiros ainda dependem da configuração dessa variável.

      Você pode definir seu $GOPATH adicionando as variáveis globais ao seu ~/.profile. Você pode querer adicionar isto ao arquivo .zshrc ou .bashrc de acordo com a configuração do seu shell.

      Primeiro, abra o ~/.profile com o nano ou seu editor de textos preferido:

      Configure seu $GOPATH adicionando o seguinte ao arquivo:

      ~/.profile

      export GOPATH=$HOME/go
      

      Quando o Go compila e instala ferramentas, ele as coloca no diretório $GOPATH/bin. Por conveniência, é comum adicionar o subdiretório /bin do workspace ao seu PATH no seu ~/.profile:

      ~/.profile

      export PATH=$PATH:$GOPATH/bin
      

      Isso permitirá que você execute quaisquer programas compilados ou baixados por meio das ferramentas Go em qualquer parte do sistema.

      Finalmente, você precisa adicionar o binário go ao seu PATH. Você pode fazer isso adicionando /usr/local/go/bin ao final da linha:

      ~/.profile

      export PATH=$PATH:$GOPATH/bin:/usr/local/go/bin
      

      Adicionar /usr/local/go/bin ao seu $PATH torna todas as ferramentas Go disponíveis em qualquer lugar do seu sistema.

      Para atualizar seu shell, execute o seguinte comando para carregar as variáveis globais:

      Você pode verificar se seu $PATH está atualizado usando o comando echo e inspecionando a saída:

      Você verá o seu $GOPATH/bin que aparecerá no seu diretório pessoal. Se você está logado como root, você verá /root/go/bin no caminho.

      Output

      /usr/local/sbin:/usr/local/bin:/usr/sbin:/usr/bin:/sbin:/bin:/usr/games:/usr/local/games:/snap/bin:/root/go/bin:/usr/local/go/bin

      Você também verá o caminho para as ferramentas Go /usr/local/go/bin:

      Output

      /usr/local/sbin:/usr/local/bin:/usr/sbin:/usr/bin:/sbin:/bin:/usr/games:/usr/local/games:/snap/bin:/root/go/bin:/usr/local/go/bin

      Verifique a instalação, conferindo a versão atual do Go:

      E devemos receber uma saída assim:

      Output

      go version go1.12.1 linux/amd64

      Agora que você tem a raiz do workspace criada e sua variável de ambiente $GOPATH definida, você pode criar seus projetos futuros com a seguinte estrutura de diretórios. Este exemplo assume que você está usando o github.com como seu repositório:

      $GOPATH/src/github.com/username/project
      

      Então, como um exemplo, se você estivesse trabalhando no projeto https://github.com/digitalocean/godo, ele seria armazenado no seguinte diretório:

      $GOPATH/src/github.com/digitalocean/godo
      

      Esta estrutura de projeto disponibilizará projetos com a ferramenta go get. Também ajudará a legibilidade mais tarde. Você pode verificar isso usando o comando go get e buscar a biblioteca godo:

      • go get github.com/digitalocean/godo

      Isto irá baixar o conteúdo da biblioteca godo e criar o diretório $GOPATH/src/github.com/digitalocean/godo em sua máquina.

      Você pode verificar se baixou com sucesso o pacote godo listando o diretório:

      • ll $GOPATH/src/github.com/digitalocean/godo

      Você deve ver uma saída semelhante a esta:

      Output

      drwxr-xr-x 4 root root 4096 Apr 5 00:43 ./ drwxr-xr-x 3 root root 4096 Apr 5 00:43 ../ drwxr-xr-x 8 root root 4096 Apr 5 00:43 .git/ -rwxr-xr-x 1 root root 8 Apr 5 00:43 .gitignore* -rw-r--r-- 1 root root 61 Apr 5 00:43 .travis.yml -rw-r--r-- 1 root root 2808 Apr 5 00:43 CHANGELOG.md -rw-r--r-- 1 root root 1851 Apr 5 00:43 CONTRIBUTING.md . . . -rw-r--r-- 1 root root 4893 Apr 5 00:43 vpcs.go -rw-r--r-- 1 root root 4091 Apr 5 00:43 vpcs_test.go

      Neste passo, você criou um workspace Go e configurou as variáveis de ambiente necessárias. No próximo passo, você testará o workspace com algum código.

      Passo 3 — Criando um Programa Simples

      Agora que você tem o workspace Go configurado, crie um programa “Hello, World!”. Isso garantirá que o workspace esteja configurado corretamente e também lhe dará a oportunidade de se familiarizar com o Go. Como estamos criando um único arquivo-fonte Go, e não um projeto real, não precisamos estar em nosso workspace para fazer isso.

      A partir do seu diretório home, abra um editor de texto de linha de comando, como o nano, e crie um novo arquivo:

      Escreva seu programa em seu novo arquivo:

      package main
      
      import "fmt"
      
      func main() {
          fmt.Println("Hello, World!")
      }
      

      Este código usará o pacote fmt e chamará a função Println com Hello, World! como argumento. Isso fará com que a frase Hello, World! seja impressa no terminal quando o programa for executado.

      Saia do nano pressionando as teclas CTRL e X. Quando solicitado a salvar o arquivo, pressione Y e depois ENTER.

      Ao sair do nano e retornar ao seu shell, execute o programa:

      go run hello.go
      

      O programa hello.go fará com que o terminal produza a seguinte saída:

      Output

      Hello, World!

      Nesta etapa, você usou um programa básico para verificar se seu workspace Go está configurado corretamente.

      Conclusão

      Parabéns! Neste ponto, você tem um workspace de programação Go configurado em sua máquina Ubuntu e pode começar um projeto de codificação!



      Source link

      Como Criar uma Imagem do Seu Ambiente Linux e Lançá-la na DigitalOcean


      Introdução

      O recurso Custom Images ou Imagens Personalizadas da DigitalOcean lhe permite trazer seu disco virtual personalizado de Linux e Unix-like de um ambiente local ou de outra plataforma de nuvem para a DigitalOcean e utilizá-lo para iniciar Droplets na DigitalOcean.

      Como descrito na documentação do Custom Images, os seguintes tipos de imagens são suportados nativamente pela ferramenta de upload do Custom Images:

      Embora imagens com formato ISO não sejam oficialmente suportadas, você pode aprender como criar e carregar uma imagem compatível usando o VirtualBox seguindo o tutorial How to Create a DigitalOcean Droplet from an Ubuntu ISO Format Image.

      Se você ainda não tem uma imagem compatível para carregar na DigitalOcean, você pode criar e comprimir uma imagem de disco do seu sistema Unix-like ou Linux, desde que ela tenha o software e os drivers de pré-requisitos instalados.

      Vamos começar assegurando que sua imagem atende ao requisitos do Custom Images. Para fazer isso, vamos configurar o sistema e instalar alguns pré-requisitos de software. Depois, vamos criar a imagem utilizando o utilitário de linha de comando dd e comprimí-la usando o gzip. Na sequência, vamos fazer o upload desse arquivo de imagem compactado para o DigitalOcean Spaces, de onde podemos importá-lo como uma Imagem Personalizada. Finalmente, vamos inicializar um droplet usando a imagem enviada

      Pré-requisitos

      Se possível, você deve usar uma das imagens fornecidas pela DigitalOcean como base, ou uma imagem de nuvem oficial fornecida pela distribuição como o Ubuntu Cloud. Então você pode instalar softwares e aplicaçoes em cima dessa imagem de base para fazer uma nova imagem usando ferramentas como o Packer e o VirtualBox. Muitos provedores de nuvem e ambientes de virtualização também fornecem ferramentas para exportar discos virtuais para um dos formatos compatíveis listados acima, assim, se possível, você deve usá-las para simplificar o processo de importação. Nos casos em que você precisa criar manualmente uma imagem de disco do seu sistema você pode seguir as instruções nesse guia. Observe que essas instruções só foram testadas com um sistema Ubuntu 18.04 e as etapas podem variar dependendo do sistema operacional e da configuração do seu servidor.

      Antes de começar com este tutorial, você deve ter o seguinte disponível para você:

      • Um sistema Linux ou Unix-like que atenda a todos os requisitos listados na documentação de produto do Custom Images. Por exemplo, seu disco de boot deve ter:

        • Um tamanho máximo de 100GB
        • Um tabela de partição MBR ou GPT com um gerenciador de boot grub
        • Drivers do VirtIO instalados
      • Um usuário não-root com privilégios administrativos disponível para você no sistema que você está fazendo imagem. Para criar um novo usuário e conceder a ele privilégios administrativos no Ubuntu 18.04, siga nosso tutorial de Configuração Inicial de Servidor com Ubuntu 18.04. Para aprender como fazer isto no Debian 9, consulte Configuração Inicial de Servidor com Debian 9.

      • Um dispositivo de armazenamento adicional usado para armazenar a imagem de disco criada neste guia, preferivelmente tão grande quanto o disco que está sendo copiado. Isso pode ser um volume de armazenamento em blocos anexado, um drive externo USB, um espaço em disco adicional, etc.

      • Um Space na DigitalOcean e o utilitário de transferência de arquivos s3cmd configurado para uso com o seu Space. Para aprender como criar um Space, consulte o Guia Rápido do Spaces. Para aprender como configurar o s3cmd para uso com o seu Space, consulte o Guia de Configuração do s3cmd 2.x.

      Passo 1 — Instalando o Cloud-Init e ativando o SSH

      Para começar, vamos instalar o pacote de inicialização do cloud-Init. O cloud-init é um conjunto de scripts que executam no boot para configurar certas propriedades da instância de nuvem como a localidade padrão, hostname, chaves SSH e dispositivos de rede.

      Os passos para a instalação do cloud-init vão variar dependendo do sistema operacional que você instalou. Em geral, o pacote cloud-init deve estar disponível no gerenciador de pacotes do seu SO, assim se você não estiver utilizando uma distribuição baseada no Debian, você deve substituir o apt nos seguintes passos pelo seu comando do gerenciador de pacotes específico da distribuição.

      Instalando o cloud-init

      Neste guia, vamos utilizar um servidor Ubuntu 18.04 e então usaremos o apt para baixar e instalar o pacote cloud-init. Observe que o cloud-init pode já estar instalado em seu sistema (algumas distribuições Linux instalam o cloud-initpor padrão). Para verificar, efetue o login em seu servidor e execute o seguinte comando:

      Se você vir a seguinte saída, o cloud-init já foi instalado no seu servidor e você pode continuar configurando-o para uso com a DigitalOcean:

      Output

      usage: /usr/bin/cloud-init [-h] [--version] [--file FILES] [--debug] [--force] {init,modules,single,query,dhclient-hook,features,analyze,devel,collect-logs,clean,status} ... /usr/bin/cloud-init: error: the following arguments are required: subcommand

      Se, em vez disso, você vir o seguinte, você precisa instalar o cloud-init:

      Output

      cloud-init: command not found

      Para instalar o cloud-init, atualize o índice de pacotes e em seguida instale o pacote usando o apt:

      • sudo apt update
      • sudo apt install cloud-init

      Agora que instalamos o cloud-init, vamos configurá-lo para uso com a DigitalOcean, assegurando que ele utilize o datasource ConfigDrive. O datasource do cloud-init determina como o cloud-init procurará e atualizará a configuração e os metadados da instância. Os Droplets da DigitalOcean usam o datasource ConfigDrive, por isso, vamos verificar se ele vem em primeiro lugar na lista de datasources que o cloud-init pesquisa sempre que o Droplet inicializa.

      Reconfigurando o cloud-init

      Por padrão, no Ubuntu 18.04, o cloud-init configura a si mesmo para utilizar o datasource NoCloud primeiro. Isso irá causar problemas ao executar a imagem na DigitalOcean, por isso precisamos reconfigurar o cloud-init para utilizar o datasource ConfigDdrive e garantir que o cloud-init execute novamente quando a imagem é lançada na DigitalOcean.

      A partir da linha de comando, navegue até o diretório /etc/cloud/cloud.cfg.d:

      • cd /etc/cloud/cloud.cfg.d

      Use o comando ls para listar os arquivos de configuração do cloud-init presentes dentro do diretório:

      Output

      05_logging.cfg 50-curtin-networking.cfg 90_dpkg.cfg curtin-preserve-sources.cfg README

      Dependendo da sua instalação, alguns desses arquivos podem não estar presentes. Se presente, exclua o arquivo 50-curtin-networking.cfg, que configura as interfaces de rede para seu servidor Ubuntu. Quando a imagem é lançada na DigitalOcean, o cloud-init irá executar e reconfigurar estas interfaces automaticamente, portanto esse arquivo não é necessário. Se esse arquivo não for excluído, o Droplet da DigitalOcean criado a partir dessa imagem Ubuntu terá suas interfaces configuradas incorretamente e não serão acessíveis pela internet:

      • sudo rm 50-curtin-networking.cfg

      Em seguida, vamos executar dpkg-reconfigure cloud-init para remover o datasource NoCloud, garantindo que o cloud-init procure e localize o datasource ConfigDrive usado na DigitalOcean:

      • sudo dpkg-reconfigure cloud-init

      Você deve ver o seguinte menu gráfico:

      O datasource NoCloud está inicialmente destacado. Pressione ESPAÇO para desmarcá-lo e, em seguida, pressione ENTER.

      Finalmente, navegue até /etc/netplan:

      Remova o arquivo 50-cloud-init.yaml, que foi gerado a partir do arquivo de rede cloud-init que removemos anteriormente:

      • sudo rm 50-cloud-init.yaml

      A etapa final é garantir que limpemos a configuração da execução inicial do cloud-init para que ela seja executada novamente quando a imagem for lançada na DigitalOcean.

      Para fazer isso, execute cloud-init clean:

      Neste ponto você instalou e configurou o cloud-init para uso com a DigitalOcean. Agora você pode seguir para ativar o acesso SSH ao seu droplet.

      Ativar o Acesso SSH

      Depois que você instalou e configurou o cloud-init, o próximo passo é assegurar que você tenha um usuário e senha de administrador não-root disponível para você em sua máquina, conforme descrito nos pré-requisitos. Este passo é essencial para diagnosticar quaisquer erros que possam surgir após o upload da sua imagem e o lançamento do seu droplet. Se uma configuração de rede preexistente ou uma configuração incorreta do cloud-init tornar o seu Droplet inacessível na rede, você pode utilizar esse usuário em combinação ao Console do Droplet da DigitalOcean para acessar seu sistema e diagnosticar quaisquer problemas que possam ter surgido.

      Depois que você tiver configurado seu usuário administrativo não-root, a etapa final é garantir que você tenha um servidor SSH instalado e executando. O SSH geralmente vem pré-instalado em muitas distribuições populares do Linux. O procedimento para verificar se um processo está executando irá variar dependendo do sistema operacional do seu servidor. Se você não tiver certeza de como fazer isso, consulte a documentação do seu sistema operacional sobre o gerenciamento de serviços. No Ubuntu, você pode verificar que o SSH está funcionando utilizando este comando:

      Você deve ver a seguinte saída:

      Output

      ● ssh.service - OpenBSD Secure Shell server Loaded: loaded (/lib/systemd/system/ssh.service; enabled; vendor preset: enabled) Active: active (running) since Mon 2018-10-22 19:59:38 UTC; 8 days 1h ago Docs: man:sshd(8) man:sshd_config(5) Process: 1092 ExecStartPre=/usr/sbin/sshd -t (code=exited, status=0/SUCCESS) Main PID: 1115 (sshd) Tasks: 1 (limit: 4915) Memory: 9.7M CGroup: /system.slice/ssh.service └─1115 /usr/sbin/sshd -D

      Se o SSH não estiver em execução, você pode instalá-lo usando o apt (nas distribuições baseadas em Debian):

      • sudo apt install openssh-server

      Por padrão, o servidor SSH vai iniciar no boot a menos que esteja configurado de outra forma. Isso é desejável ao executar o sistema na nuvem, já que a DigitalOcean pode copiar automaticamente sua chave pública e conceder acesso SSH imediato ao seu Droplet após a criação.

      Depois que você criou um usuário administrativo não-root, ativou o SSH, e instalou o cloud-init, você está pronto para continuar criando uma imagem do seu disco de boot.

      Passo 2 — Criando uma Imagem de Disco

      Neste passo, vamos criar uma imagem de disco de formato RAW usando o utilitário de linha de comando dd, e compactá-lo usando o gzip. Vamos então carregar a imagem para o Spaces da DigitalOcean usando o s3cmd.

      Para começar, efetue login em seu servidor, e inspecione o arranjo de dispositivos de bloco para o seu sistema usando lsblk:

      Você deverá ver algo como o seguinte:

      Output

      NAME MAJ:MIN RM SIZE RO TYPE MOUNTPOINT loop0 7:0 0 12.7M 1 loop /snap/amazon-ssm-agent/495 loop1 7:1 0 87.9M 1 loop /snap/core/5328 vda 252:0 0 25G 0 disk └─vda1 252:1 0 25G 0 part / vdb 252:16 0 420K 1 disk

      Nesse caso, observamos que nosso disco principal de boot é o /dev/vda, um disco de 25GB, e a partição primária, montada no /, é a /dev/vda1. Na maioria dos casos o disco contendo a partição montada no / será o disco de origem para a imagem. Vamos usar o dd para criar uma imagem do /dev/vda.

      Neste ponto, você deve decidir onde você quer armazenar a imagem de disco. Uma opção é anexar outro dispositivo de armazenamento em bloco, de preferência tão grande quanto o disco que você está fazendo a imagem. Em seguida, você pode salvar a imagem neste disco temporário anexado e enviá-la para o Spaces da DigitalOcean.

      Se você tem acesso físico ao servidor, você pode adicionar um drive adicional à máquina ou anexar outro dispositivo de armazenamento, como um disco USB externo.

      Outra opção, que iremos demonstrar nesse guia, é copiar a imagem por SSH para uma máquina local, a partir da qual você pode enviá-la para o Spaces.

      Independentemente do método escolhido, verifique se o dispositivo de armazenamento no qual você salvou a imagem compactada tem espaço livre suficiente. Se o disco que você está fazendo imagem está quase vazio, você pode esperar que o arquivo de imagem compactado seja significativamente menor que o disco original.

      Atenção: Antes de rodar o seguinte comando dd, certifique-se de que todos os aplicativos críticos tenham sido parados e seu sistema esteja o mais folgado possível. Copiar um disco sendo usado ativamente pode resultar em alguns arquivos corrompidos, portanto, certifique-se de interromper qualquer operação que use muitos dados e encerre o máximo possível de aplicativos em execução.

      Opção 1: Criando a Imagem Localmente

      A sintaxe para o comando dd que vamos executar é a seguinte:

      • dd if=/dev/vda bs=4M conv=sparse | pv -s 25G | gzip > /mnt/tmp_disk/ubuntu.gz

      Neste caso, estamos selecionando /dev/vda como o disco de entrada para se fazer imagem, e definindo o tamanho dos blocos de entrada/saída para 4MB (sendo que o padrão é 512 bytes). Isso geralmente acelera um pouco as coisas. Além disso, estamos usando a flag conv=sparse para minimizar o tamanho do arquivo de saída pulando o espaço vazio. Para aprender mais sobre parâmetros do dd, consulte a sua manpage.

      Em seguida, fazemos um pipe da saída para o utilitário de visualização de pipe pv para que possamos acompanhar o progresso da transferência visualmente (esse pipe é opcional e requer a instalação do pv usando o gerenciador de pacotes). Se você sabe o tamanho do disco inicial (nesse caso é 25GB), você pode adicionar -s 25G ao pipe do pv para ter uma estimativa de quando a transferência será concluída.

      Fazemos então um pipe de tudo isso para o gzip e salvamos em um arquivo chamado ubuntu.gz no volume de armazenamento de bloco temporário que anexamos ao servidor. Substitua /mnt/tmp_disk com o caminho para o dispositivo de armazenamento externo que você anexou ao seu servidor.

      Opção 2: Criando a Imagem via SSH

      Em vez de provisionar armazenamento adicional para sua máquina remota, você também pode executar a cópia via SSH se tiver espaço em disco suficiente disponível na sua máquina local. Observe que, dependendo da largura de banda disponível para você, isso pode ser lento e você pode incorrer em custos adicionais para a transferência de dados pela rede.

      Para copiar e compactar o disco via SSH, execute o seguinte comando em sua máquina local:

      • ssh usuário_remoto@ip_do_seu_servidor "sudo dd if=/dev/vda bs=4M conv=sparse | gzip -1 -" | dd of=ubuntu.gz

      Neste caso, estamos fazendo SSH para o nosso servidor remoto executando o comando dd lá, e fazendo um pipe da saída para o gzip. Em seguida, transferimos a saída do gzip pela rede e a salvamos localmente como ubuntu.gz. Certifique-se de que você tenha o utilitário dd disponível em sua máquina local antes de executar esse comando:

      Output

      /bin/dd

      Crie o arquivo de imagem compactado usando qualquer um dos métodos acima. Isso pode levar várias horas, dependendo do tamanho do disco que você está criando e do método que você está usando para criar a imagem.

      Depois de criar o arquivo de imagem compactado, você pode passar a enviá-lo para seus Spaces da DigitalOcean usando o s3cmd.

      Passo 3 — Fazendo Upload da Imagem para Spaces e Custom Images

      Conforme descrito nos pré-requisitos, você deve ter o s3cmd instalado e configurado para uso com seu Space da DigitalOcean na máquina que contém sua imagem compactada.

      Localize o arquivo de imagem compactado e faça o upload dele para seu Space usando o s3cmd:

      Nota: Você deve substituir your_space_name pelo nome do seu Space e não a sua URL. Por exemplo, se a URL do seu Space é https://example-space-name.nyc3.digitaloceanspaces.com, então o nome do seu Space é example-space-name.

      • s3cmd put /caminho_da_imagem/ubuntu.gz s3://your_space_name

      Quando o upload estiver concluído, navegue até seu Space usando o Painel de Controle da DigitalOcean, e localize a imagem na lista de arquivos. Tornaremos a imagem publicamente acessível temporariamente para que o Custom Images possa acessá-la e salvar uma cópia.

      À direita da lista de imagens, clique no menu suspenso More e, em seguida, clique em Manage Permissions:

      Em seguida, clique no botão de opção ao lado de Public e clique em Update para tornar a imagem publicamente acessível.

      Atenção: Sua imagem estará temporariamente acessível publicamente para qualquer pessoa com o caminho do seu Space durante este processo. Se você gostaria de evitar tornar sua imagem temporariamente pública, você pode criar sua Imagem Personalizada usando a API da DigitalOcean. Certifique-se de definir sua imagem como Private usando o procedimento acima depois que sua imagem for transferida com sucesso para o Custom Images.

      Busque a URL do Spaces para sua imagem passando o mouse sobre o nome da imagem no Painel de controle, e clique em Copy URL na janela que aparece.

      Agora, navegue para Images na barra de navegação à esquerda, e depois para Custom Images.

      A partir daqui, envie sua imagem usando esta URL, conforme detalhado na Documentação de Produto do Custom Images.

      Você pode então criar um Droplet a partir desta imagem. Observe que você precisa adicionar uma chave SSH ao Droplet na criação. Para aprender como fazer isso, consulte How to Add SSH Keys to Droplets.

      Uma vez que o seu Droplet inicializa, se você puder fazer SSH nele, você lançou com sucesso a sua Imagem Personalizada como um Droplet da DigitalOcean.

      Fazendo Debug

      Se você tentar fazer SSH no seu Droplet e não conseguir conectar, certifique-se de que sua imagem atenda aos requisitos listados e tenha o cloud-init e o SSH instalados e configurados corretamente. Se você ainda não conseguir acessar o Droplet, você pode tentar utilizar o Console do Droplet da DigitalOcean e o usuário não-root que você criou anteriormente para explorar o sistema e fazer o debug das configurações de sua rede, do cloud-init e do SSH. Outra maneira de fazer o debug de sua imagem é usar uma ferramenta de virtualização como o Virtualbox para inicializar sua imagem de disco dentro de uma máquina virtual, e fazer o debug da configuração do seu sistema a partir da VM.

      Conclusão

      Neste guia, você aprendeu como criar uma imagem de disco de um sistema Ubuntu 18.04 usando o utilitário de linha de comando dd e fazer o upload dela para a DigitalOcean como uma Custom Image ou Imagem Personalizada a partir da qual você pode lançar Droplets.

      As etapas neste guia podem variar dependendo do seu sistema operacional, do hardware existente e da configuração do kernel, mas, em geral, as imagens criadas a partir de distribuições populares do Linux devem funcionar usando esse método. Certifique-se de seguir cuidadosamente as etapas de instalação e configuração do cloud-init e de garantir que o sistema atenda a todos os requisitos listados na seção pré-requisitos acima.

      Para aprender mais sobre Custom Images, consulte a documentação de produto do Custom Images.

      Por Hanif Jetha



      Source link