One place for hosting & domains

      How to Design a Website: 6 Key Tips for Success


      Designing a website is easier than it has ever been. Long gone are the days of manual coding and restrictive print-based layouts. Today, almost anyone can create a gorgeous, responsive, functional site in minutes — as long as you know where to start.

      Fortunately, the basics of website design are relatively easy to understand if you apply some common sense and careful planning. Your goal should always be to create a site that’s not just visually striking but is also easy to navigate and use.

      In this article, we’ll discuss the basics of designing a website and show you how to get started with six key tips. We’ll also introduce you to the Remixer website builder and demonstrate how you can use this tool to create a site quickly and easily.

      1. Plan Your Design Thoroughly

      Before you do anything, you’ll need a concrete and thorough plan. At this stage, you should clearly define your goals and expectations for your site and outline what you hope to accomplish with it.

      Here are just a few of the questions you’ll want to have clear answers to:

      1. Is the site personal or commercial?
      2. Do you want it to make money and if so, how?
      3. Will you be using advertisements or affiliate marketing?
      4. How much traffic are you expecting?

      Put your thoughts and ideas down on paper and start drawing up a plan. We mean that literally, by the way. A smart method of planning your site is to create sketches of how you want it to look and operate. You should also take everyone’s ideas into account if you’re working with other designers or collaborators.

      By the end of your planning phase, you should have a blueprint of the site’s top-level framework. This includes a plan for its user interface (UI), sidebars, and other page elements, as well as an idea of how navigation will work. Doing this first will make it much easier to bring your vision to life.

      2. Create Your Site’s Visual Identity

      When you’ve got an idea of what the structure of your site will be, it’s time to look at its appearance. You’ll need to choose the fonts and typography you’ll want to use. If you’re working from an established brand identity, consider how your choices match up to offline materials. It’s also worth exploring how well the fonts you choose work with multiple languages and how effectively they scale up and down on differently-sized screens.

      You’ll also need to decide on a color scheme. Again, if you’re creating a site based on a brand with an established visual identity, you’ve done most of the hard work already. Otherwise, picking a color scheme requires you to consider color theory and ensure your choices are accessible.

      Thinking about the ‘feel’ you want your site to have can make this decision easier. Colors represent different emotions and meanings, after all. For example, red is typically seen as an aggressive and impulsive color, while green is associated with health and the environment. You should take time to choose your colors carefully since they can help you create a cohesive visual identity.

      3. Consider the Layout and Navigation

      If you planned ahead as we discussed earlier, this step will be a lot easier. You’ve already considered how navigation will work on your site. It’s now time to dig deeper and think about your visitor’s journey.

      The visitor’s journey refers to the possible paths that people can take on your website. In other words, you’ll need to consider how users will access other parts of the site from any given page. After all, you won’t always have control over how users first arrive on your site, so you can’t just rely on a homepage to serve as your hub. Navigation needs to be available across your site, and it has to be accessible and easy-to-use.

      You also need to plan out the layout of each page carefully. To do this, ask yourself what each page on your site is trying to achieve. For example, if you want people to fill out a contact form, you’ll need a strong CallTo-Action (CTA) button. Your CTA should always be prominent and clear.

      Every element on a page should be designed to promote the overall goal. It’s best to start simple and add elements over time to ensure you aren’t adding unneeded information or features.

      4. Pay Attention to the Details

      When you’ve completed the overall design and layout of your site, it’s time to shrink your scope and focus on the details. These are the seemingly minor things that create the general look and feel of your site, such as buttons, menus, image placements, and so forth.

      Treat each component on your site as a stand-alone object and give it proper attention. This is the kind of precise work that can seem excessive but will greatly help to refine your site overall. Your goal should be to make the final product better than the sum of its parts, and spending appropriate time and effort on those parts is the best strategy.

      One way you can make your site ‘pop’ is by adding engaging elements like microinteractions. We’ve previously discussed that these are a popular trend — and for good reason. They help make your site feel more interactive and living since it’s able to respond to the user in small ways.

      You should also work on avoiding common mistakes, such as bad font rendering and poor color contrast. These are the kinds of issues that are easy to miss if you don’t get up-close with the individual components of your site. For that reason, make sure you give them the attention they require.

      5. Prototype and Share Your Design

      Prototyping is an important part of the design process. A prototype is simply a demo version of your site that you can share with others. It can be presented as images or you can create a static HTML representation of how each page is meant to look with little-to-no functionality.

      Creating a prototype is an important way to give others an idea of what the site will look like when it’s done. If you’re working for a client, they will naturally want an overview of your plans and the chance to suggest changes. You should, therefore, show them a prototype early on so they can provide feedback. This will save you time down the line, as they won’t be surprised or displeased with your work when it’s nearing completion.

      One thing to remember: site builders make creating a site so quick and easy that you often don’t need a separate prototype. You’ll be able to quickly put together a new idea and solicit feedback from others without creating a demo (more on this later).

      6. Challenge Yourself and Be Willing to Experiment

      Finally, remember that web design is a creative endeavor, and you should always be willing to challenge yourself. This applies when you’re creating your first website or your 50th. For example, you can consider new ways of approaching a particular design goal. Maybe you’ll experiment with different color schemes, images, or a more accessible navigation layout.

      This step is more important than it might seem. Not only will it help you to grow as a creator, but it will also give you an extra incentive to find new solutions. It’s easy to get stuck in a rut. Giving yourself a challenge in each new project is an excellent way to keep yourself focused and invested in your work.

      One smart way to get started is by finding inspiration in recent design trends. You can consider how you can implement those trends yourself or even improve on them.

      How to Design a Website With Remixer

      When it comes time to put the tips we’ve discussed into practice, you’ll need the right tool for the job. With that in mind, allow us to introduce Remixer. This is a website builder that requires no coding and enables you to create your site using an intuitive visual editor.

      The best thing about Remixer is that it enables anyone, regardless of experience, to create a website using the basics we’ve outlined throughout this article. With Remixer, you don’t need to know your way around HTML, CSS, PHP, or any other coding language to create functional and visually-striking websites.

      To start using Remixer, you just need to sign up for a free account. When you have signed in, you can start creating your site in two ways. The first is to choose a theme.

      When you hover over a theme, you can either preview it or select it as your starting point. This will open the Remixer editor, which we’ll look at soon. However, you can also choose the Create option in the upper right-hand corner. This will instead give you the choice of three different types of website.

      After you select one, you’ll be able to choose your site’s color palette. Remember to consider color psychology when making your decisions. You can select an option to see a preview of how it will look.

      Next, you can click on the Choose Images link in the bottom right-hand corner of the page. This will enable you to select a series of stock images to use on your site. You will be able to replace these later, so consider them more as a guide for yourself as you design your site’s appearance.

      Finally, you’ll select Choose Fonts to proceed to the next step. As you might imagine, this is where you’ll pick the fonts to use on your site. Find and select a font pair that matches the visual identity you’ve settled on.

      When you’re happy with your choices, click Preview Site. You’ll now be shown a snapshot of how your site will look. To preserve your preferences, select Save and edit this site. This will open your site in the Remixer editor, where you can edit its layout and content freely.

      Remixer is a click-to-edit builder. So to make any changes, you just need to click on an element on the page. For example, to update text, you just need to select it and make changes right in the editor.

      Other elements, such as images, can be changed with the menu on the left. Select the element you want to manage, and relevant settings will appear in this menu.

      To add new elements to the page, click the New buttons, which appear between existing sections. This will expand a selector, where you can pick the element you want to add to the page.

      At this point, you can freely make changes to your site. Every edit will be shown in real-time so it’s easy to experiment and see how your changes will affect the final result. As long as you remember the tips we’ve discussed throughout this article, you should be only a short time away from creating an excellent website with all the functionality you require!

      Need a Beautiful Website?

      Design it yourself with Remixer, our easy-to-use website builder. No coding required.

      Ready to Design Your Site?

      Even if you’ve never touched a line of code in your life, you can still create a great-looking, functional website. All it takes is understanding the basics of what makes a successful site and using an intuitive tool like the Remixer website builder to put it all into practice.



      Source link

      Como criar um Space e uma API Key na DigitalOcean


      Introdução

      DigitalOcean Spaces é um serviço de armazenamento de objetos que torna mais fácil e econômico armazenar e fornecer grandes quantidades de dados. Spaces individuais podem ser criados e colocados em uso rapidamete, sem necessidade de configuração adicional.

      Neste tutorial, iremos utilizar o Painel de Controle da DigitalOcean para criar um novo Space. Em seguida, iremos recuperar uma Chave de API ou API Key e um secret que podem ser utilizados para conceder acesso ao Space para quaisquer clientes ou bibliotecas compatíveis com S3.

      Pré-requisitos

      Para completar este tutorial, você vai precisar de uma conta na DigitalOcean. Se você já não tiver uma, você pode registrar uma nova na página de inscrição.

      Faça o login no Painel de Controle da DigitalOcean para começar.

      Criando um Space

      Para criar um novo Space, utilize o botão Create no canto superior direito do Painel de Controle. Clique no botão, em seguida escolha Spaces na lista suspensa:

      Se você nunca criou um Space antes, você também pode criar um diretamente da página do Spaces. Para fazer isso, clique Spaces na navegação principal do Painel de Controle, e então clique em Create a space. Qualquer uma das opções o levarão à tela Create a Space:

      Primeiro, escolha um nome para o seu Space. Esse nome deve ser único entre todos os Spaces (ou seja, nenhum outro usuário do Spaces pode ter o mesmo nome em qualquer região), deve ter de 3 a 63 caracteres, e pode conter apenas letras minúsculas, números e traços.

      Em seguida, escolha a região do datacenter onde você gostaria que seu Space estivesse. No momento em que esta captura de tela foi feita, nyc3 e ams3 eram as escolhas possíveis. Outras se tornarão dsponíveis ao longo do tempo.

      Finalmente, escolha se deseja que os usuários não autenticados possam listar todos os arquivos em seu Space. Isso não afeta o acesso a arquivos individuais (que é definido em uma base por aquivo), mas apenas a capacidade de obter uma lista de todos os arquivos. A escolha padrão de Private é segura, a menos que você tenha alguns scripts ou clientes que precisem buscar listagens de arquivos sem uma chave de acesso ou access key.

      Quando seu nome e as opções estiverem todos definidos, desça e clique no botão Create a Space. Seu Space será criado, e você será levado para a interface do navegador de arquivos:

      Se este é o seu primeiro Space, você terá um arquivo welcome.html, do contrário, o Space estará vazio.

      Tome nota da URL do seu Space. Está disponível logo abaixo do nome do Space na visualização do navegador de arquivos. Nesse caso de exemplo, a URL completa é https://example-name.nyc3.digitaloceanspaces.com. O nome do Space aqui (geralmente chamado de nome do bucket) é example-name. A URL do servidor (ou endereço) é a parte restante, consistindo do nome do datacenter seguido por .digitaloceanspaces.com: https://nyc3.digitaloceanspaces.com.

      Existem algumas maneiras diferentes pelas quais os clientes e bibliotecas solicitarão essas informações. Alguns vão querer no mesmo formato dado no Painel de Controle. Alguns exigem que o nome do bucket siga a URL do servidor, como em https://nyc3.digitaloceanspaces.com/example-name. Outros ainda pedirão para você inserir o endereço do servidor e o nome do bucket ou Space separadamente. Consulte a documentação do seu cliente ou biblioteca para mais orientações nesse item.

      A seguir, criaremos a chave que precisamos para acessar nossos Spaces a partir de clientes de terceiros.

      Criando uma Access Key

      Para acessar seus arquivos de fora do Painel de Controle da DigitalOcean, precisamos gerar uma chave de acesso ou access key e um secret. Estes são um par de tokens aleatórios que servem como nome de usuário e senha para conceder acesso ao seu Space.

      Primeiro, clique no link da API na navegação principal do Painel de Controle. A página resultante lista seus tokens de API da DigitalOcean e as chaves de acesso do Spaces. Role para baixo até a parte do Spaces:

      Se este é o seu primeiro Space, você não pode ter nenhuma chave listada. Clique no botão Generate New Key. A caixa de diálogo New Spaces key será exibida:

      Digite um nome para a chave. Você pode criar quantas chaves quiser, portanto, lembre-se de que a única maneira de revogar o acesso a uma chave é excluí-la. Desse modo, você pode querer particionar as chaves por pessoa, por equipe ou pelo software cliente no qual você as estiver utilizando.

      Neste caso, estamos criando uma chave chamada example-token. Clique no botão Generate Key para completar o processo. Você retornará à tela da API listando todas as suas chaves. Observe que a nova chave tem dois tokens longos exibidos:

      O primeiro é a sua access key. Isso não é secreto e continuará visível no Painel de Controle. A segunda string é o seu secret ou secret key. Isso só será exibido uma vez. Registre-a em um local seguro para uso posterior. Na próxima vez que você visitar a página da API, esse valor será eliminado e não há como recuperá-lo.

      Diferentes clientes compatíveis com S3 podem ter nomes sutilmente diferentes para access key e secret. A terminologia usada é normalmente próxima o suficiente para deixar claro qual token deve ir para onde. Caso contrário, consulte a documentação do seu cliente ou biblioteca para obter mais informações.

      Conclusão

      Neste tutorial criamos um novo Space na DigitalOcean e uma nova access key e secret. Agora sabemos nossa URL de servidor, nome do bucket (ou nome do Space), access key, e secret. Com essas informações você pode conectar praticamente qualquer cliente ou biblioteca compatível com S3 ao seu novo Space na DigitalOcean!

      Por Brian Boucheron



      Source link

      Como criar um Space e uma API Key na DigitalOcean


      Introdução

      DigitalOcean Spaces é um serviço de armazenamento de objetos que torna mais fácil e econômico armazenar e fornecer grandes quantidades de dados. Spaces individuais podem ser criados e colocados em uso rapidamete, sem necessidade de configuração adicional.

      Neste tutorial, iremos utilizar o Painel de Controle da DigitalOcean para criar um novo Space. Em seguida, iremos recuperar uma Chave de API ou API Key e um secret que podem ser utilizados para conceder acesso ao Space para quaisquer clientes ou bibliotecas compatíveis com S3.

      Pré-requisitos

      Para completar este tutorial, você vai precisar de uma conta na DigitalOcean. Se você já não tiver uma, você pode registrar uma nova na página de inscrição.

      Faça o login no Painel de Controle da DigitalOcean para começar.

      Criando um Space

      Para criar um novo Space, utilize o botão Create no canto superior direito do Painel de Controle. Clique no botão, em seguida escolha Spaces na lista suspensa:

      Se você nunca criou um Space antes, você também pode criar um diretamente da página do Spaces. Para fazer isso, clique Spaces na navegação principal do Painel de Controle, e então clique em Create a space. Qualquer uma das opções o levarão à tela Create a Space:

      Primeiro, escolha um nome para o seu Space. Esse nome deve ser único entre todos os Spaces (ou seja, nenhum outro usuário do Spaces pode ter o mesmo nome em qualquer região), deve ter de 3 a 63 caracteres, e pode conter apenas letras minúsculas, números e traços.

      Em seguida, escolha a região do datacenter onde você gostaria que seu Space estivesse. No momento em que esta captura de tela foi feita, nyc3 e ams3 eram as escolhas possíveis. Outras se tornarão dsponíveis ao longo do tempo.

      Finalmente, escolha se deseja que os usuários não autenticados possam listar todos os arquivos em seu Space. Isso não afeta o acesso a arquivos individuais (que é definido em uma base por aquivo), mas apenas a capacidade de obter uma lista de todos os arquivos. A escolha padrão de Private é segura, a menos que você tenha alguns scripts ou clientes que precisem buscar listagens de arquivos sem uma chave de acesso ou access key.

      Quando seu nome e as opções estiverem todos definidos, desça e clique no botão Create a Space. Seu Space será criado, e você será levado para a interface do navegador de arquivos:

      Se este é o seu primeiro Space, você terá um arquivo welcome.html, do contrário, o Space estará vazio.

      Tome nota da URL do seu Space. Está disponível logo abaixo do nome do Space na visualização do navegador de arquivos. Nesse caso de exemplo, a URL completa é https://example-name.nyc3.digitaloceanspaces.com. O nome do Space aqui (geralmente chamado de nome do bucket) é example-name. A URL do servidor (ou endereço) é a parte restante, consistindo do nome do datacenter seguido por .digitaloceanspaces.com: https://nyc3.digitaloceanspaces.com.

      Existem algumas maneiras diferentes pelas quais os clientes e bibliotecas solicitarão essas informações. Alguns vão querer no mesmo formato dado no Painel de Controle. Alguns exigem que o nome do bucket siga a URL do servidor, como em https://nyc3.digitaloceanspaces.com/example-name. Outros ainda pedirão para você inserir o endereço do servidor e o nome do bucket ou Space separadamente. Consulte a documentação do seu cliente ou biblioteca para mais orientações nesse item.

      A seguir, criaremos a chave que precisamos para acessar nossos Spaces a partir de clientes de terceiros.

      Criando uma Access Key

      Para acessar seus arquivos de fora do Painel de Controle da DigitalOcean, precisamos gerar uma chave de acesso ou access key e um secret. Estes são um par de tokens aleatórios que servem como nome de usuário e senha para conceder acesso ao seu Space.

      Primeiro, clique no link da API na navegação principal do Painel de Controle. A página resultante lista seus tokens de API da DigitalOcean e as chaves de acesso do Spaces. Role para baixo até a parte do Spaces:

      Se este é o seu primeiro Space, você não pode ter nenhuma chave listada. Clique no botão Generate New Key. A caixa de diálogo New Spaces key será exibida:

      Digite um nome para a chave. Você pode criar quantas chaves quiser, portanto, lembre-se de que a única maneira de revogar o acesso a uma chave é excluí-la. Desse modo, você pode querer particionar as chaves por pessoa, por equipe ou pelo software cliente no qual você as estiver utilizando.

      Neste caso, estamos criando uma chave chamada example-token. Clique no botão Generate Key para completar o processo. Você retornará à tela da API listando todas as suas chaves. Observe que a nova chave tem dois tokens longos exibidos:

      O primeiro é a sua access key. Isso não é secreto e continuará visível no Painel de Controle. A segunda string é o seu secret ou secret key. Isso só será exibido uma vez. Registre-a em um local seguro para uso posterior. Na próxima vez que você visitar a página da API, esse valor será eliminado e não há como recuperá-lo.

      Diferentes clientes compatíveis com S3 podem ter nomes sutilmente diferentes para access key e secret. A terminologia usada é normalmente próxima o suficiente para deixar claro qual token deve ir para onde. Caso contrário, consulte a documentação do seu cliente ou biblioteca para obter mais informações.

      Conclusão

      Neste tutorial criamos um novo Space na DigitalOcean e uma nova access key e secret. Agora sabemos nossa URL de servidor, nome do bucket (ou nome do Space), access key, e secret. Com essas informações você pode conectar praticamente qualquer cliente ou biblioteca compatível com S3 ao seu novo Space na DigitalOcean!

      Por Brian Boucheron



      Source link