One place for hosting & domains

      12 Marketing Strategies to Promote Your Local Business


      Capturing new customers in your local market can be a challenge. Not only can people be set in their ways and routines, but local marketing channels can also be expensive and scarce. This means that creativity is a must when developing a strategy to promote your local business.

      The good news is that there are lots of ways business owners can maximize both high-tech and low-tech options to promote their business.

      What’s more, local promotion doesn’t have to break the bank! Understanding where you’re most likely to find success with your customers will be the key to success in this area.

      In this article, we’ll provide a comprehensive list of ways to promote your local business. We’ll also take a quick look at what the statistics say about marketing locally. Let’s get started!

      Shared Hosting That Powers Your Purpose

      We make sure your website is fast, secure, and always up so your visitors trust you. Plans start at $2.59/mo.

      Why Your Local Business Needs a Marketing Strategy

      Succeeding in the local business market can be tough, so having a solid marketing strategy is vital for building up your revenue and clientele. When small businesses succeed, it’s good for everyone.

      In fact, small and local businesses have a huge impact on the national economy and employment rates. In that regard, it’s important to understand the local business landscape when it comes to online search and customer habits.

      For example, it’s useful to know that online reviews definitely matter in this business category. In a recent survey, 82% of consumers said they read online reviews before visiting a local business.

      This means you’ll want to focus on tools that will help with your Search Engine Optimization (SEO). Additionally, it’s smart to encourage customers to leave positive reviews for others to see.

      Of course, this is just one digital marketing strategy. Throughout the rest of this post, we’ll look at others marketing ideas — such as leveraging tools like online listings, getting involved in your local community, improving customer care, leveraging social media platforms, creating blog content, and more.

      How to Promote Your Local Business With These 12 Marketing Tactics

      Promoting your local business effectively can require a multifaceted approach. This list of 12 marketing ideas will give you a place to start.

      1. Tidy Up Your Online Listings for Greater Visibility

      Creating a free online listing for your local business can be the most effective way to get its information out there. An online listing is essentially any place you can list your business and its relevant information for potential customers to see.

      With options such as Yelp and Google My Business, you can make sure the right information about your business is on the web.

      The Google My Business login page.

      Getting started with the latter platform simply requires you to search for and claim your business. Your account is free and enables you to manage all of your information on Google. Therefore, it’s vital to keep these details up to date.

      2. Revamp Your Website or Start a Blog to Engage Customers

      If you’re looking for new ways to engage with customers online, revamping your website and starting a blog are both worthwhile approaches. WordPress is an ideal platform for doing this, as it is both beginner-friendly and flexible. If you’re looking to make over your site or begin blogging about your business, we can’t recommend WordPress enough.

      To help you customize your site, you’ll find themes and plugins for all niches. Of course, to get started with a website for your business, you’ll also need a reliable web host and some interesting content to promote your shop!

      3. Work on Your Local SEO Tactics to Boost Search Visibility

      It’s been shown that local search has the highest conversion rates of all local advertising channels. This means that it’s important to fine-tune your site so it ranks well on every major search engine.

      We mentioned Google My Business previously, but it comes into play here as well. Some of your local SEO work can be done through that platform. You’ll want to aim for becoming a listing in the “3-pack.” This is the list of three businesses that appear under the Google map in a search with local intent.

      Three search results under a Google Map.

      Another way to boost your local SEO is to build up as many local citations as you can. A citation is anywhere online that your business’ name, address, phone number, and website URL appears.

      4. Launch a Mobile App to Boost User Engagement

      Mobile internet usage accounted for nearly half of all web traffic early in 2019, and researchers predict that it will continue to rise. With that being said, it makes sense to create a way to engage with your customers on their mobile devices.

      If you have the resources to hire a programmer, that’s the simplest solution. However, there are other ways to create an app that don’t require too much technical know-how. Apps can include handy features such as loyalty rewards, coupons, business news, and more.

      5. Run a Contest to Keep Users Engaged and Interested

      Everyone loves to win stuff. That’s why running a contest can help you draw in customers. Whether you run your contest online (via social media or your website) or directly in your store, it’s something your audience is highly likely to share.

      What’s more, online, users are 99% more likely to share a contest with others if it improves their chances of winning. You could invite your customers to help you design a new logo or a piece of branded gear.

      An example of a design contest.

      Running a contest in your physical store can be as simple as collecting business cards for a monthly drawing or highlighting a customer of the month. Either way, this is a fun and popular option that’s great for any kind of local business.

      6. Form Local Partnerships With Influential People

      Collaboration can be the key to success in many business situations. If your community has a need that your business can help meet, why not partner up? Joining forces with organizations or even other businesses will show customers that you’re community-minded and trustworthy.

      Just as influencers make an impact on social media marketing, you can use your local influencers in the same way, whether they are online or in-person. This might include inviting them to host an event at your business, or asking them to endorse your product. Word-of-mouth marketing works!

      7. Host an Event to Benefit the Area

      Local company owners have the unique opportunity to use their businesses for the good of the community. Not only can you add to the local economy, but you can leverage your brand to help raise funds or otherwise benefit your area.

      When implementing this strategy, you’ll want to choose a cause that aligns with your brand practices and values. If you can partner with a local organization, that’s even better! In fact, hosting an event in your shop or organizing a volunteer day to help out in your community are all ways you can be philanthropic while also promoting your business.

      8. Get Involved in the Community by Joining Chamber Groups

      Almost every community has a local chamber of commerce. These groups are designed to help support the growth of local businesses and joining them is a highly-recommended practice to build brand awareness. Checking your local chamber benefits is a good first step.

      Local chamber of commerce benefits.

      As a member of your chamber of commerce, your community will see you as a trusted member of the local economy. Second, most local chambers offer a number of discounts to helpful resources for local businesses (such as printing and marketing services). Additionally, you can offer discounts to chamber members to encourage support of your business.

      9. Build Up a Newsletter and Subscriber List for Enhanced Communication

      An email list is a valuable tool for keeping your customers updated and engaged. You don’t want to overdo it, but regular communication with your customers can lead to valuable word-of-mouth recommendations.

      You can use both online and in-store techniques to attract subscribers. There are many tools available for building your newsletter and email lists. If you don’t have a branded, custom email for your business, that’s also a smart step to take before you start sending out messages.

      Be Awesome on the Internet

      Join our monthly newsletter for tips and tricks to build your dream website!

      10. Encourage Loyal Customers with a Rewards Program

      Loyalty programs are a common option for many small and local businesses. It builds good connections with customers when you’re able to offer rewards for their loyalty.

      There are plenty of examples out there to work from, such as Dunkin’s “DDPerks” program.

      Dunkin’ Donuts reward perks.

      Whether you create an app for loyalty rewards or simply print punch cards, your customers should appreciate the gesture.

      In fact, 69% of consumers report that their choice of retailer is impacted by where they can get the best rewards. Businesses also report that even a 5% increase in customer loyalty can have a big impact on their annual profits.

      11. Maintain Regulars With Improved Customer Service

      When you are a frequent patron of a business, it’s likely due in part to the way you’re treated. If you employ staff at your local business, it might be worthwhile to tackle your overall customer service as a group and establish some goals and norms.

      Holding a training session and providing professional development materials for your employees are two ways you can start building a culture of customer care. Additionally, you can involve your customers in the process by asking them for feedback or creating a recognition program for your employees.

      12. Offer Seasonal or Themed Discounts to Boost Sales

      Shoppers tend to be creatures of habit. So you can take advantage of many holiday-related and seasonal opportunities throughout the year. This might mean getting creative and hosting a Christmas in July sale or latching onto fun, quirky occasions such as “Pi Day.”

      Newegg’s Pi Day sale.

      This enables you to promote your business outside of run-of-the-mill shopping holidays. You can appeal to bargain shoppers, and keep sales up during the times of year when you might otherwise see a dip in profits.

      Small Business Marketing Made Simple

      Mastering the skills needed to effectively promote your local business can take effort. However, there are many ways small business owners can get creative and engage with regional customers. Mixing and matching the items on this list can help you build the perfect toolbox of local promotion techniques.

      Above all, remember to tidy up your online listings and create a Google My Business account, brush up on your customer service, and connect with your community through events and partnerships. All of these strategies can help boost those vital online customer reviews for your brand.

      If you’re looking for more ways to grow your business, we’ve got you covered! Check out these helpful posts for tips and tricks to get your local business on the map.

      Are you ready for a big rush on your local business? Implementing these promotional techniques and showcasing your hard work with a professionally-hosted website should have customers lining up down the street!



      Source link

      Como Instalar o Go e Configurar um Ambiente de Programação Local no macOS


      Introdução

      Go é uma linguagem de programação que nasceu da frustração no Google. Os desenvolvedores precisavam escolher continuamente uma linguagem que fosse executada com eficiência, mas demoravam muito tempo para compilar ou escolher uma linguagem fácil de programar, mas que era executada de forma ineficiente em produção. O Go foi projetado para ter todas as três características disponíveis ao mesmo tempo: compilação rápida, facilidade de programação e execução eficiente em produção.

      Embora o Go seja uma linguagem de programação versátil que pode ser usada para muitos projetos de programação diferentes, ela é particularmente adequada para programas de rede/sistemas distribuídos e ganhou a reputação de ser “a linguagem da nuvem”. Ela se concentra em ajudar o programador moderno a fazer mais com um conjunto forte de ferramentas, removendo debates sobre formatação ao tornar o formato parte da especificação da linguagem, bem como ao facilitar o deploy ao compilar para um único binário. O Go é fácil de aprender, com um conjunto muito pequeno de palavras-chave, o que o torna uma ótima opção para iniciantes e igualmente para desenvolvedores experientes.

      Este tutorial irá guiá-lo pela instalação do Go em sua máquina local com macOS e da configuração de um workspace de programação através da linha de comando.

      Pré-requisitos

      Você precisará de um computador com macOS com acesso administrativo e que esteja conectado à Internet.

      Passo 1 — Abrindo o Terminal

      Você estará concluindo a instalação e a configuração na linha de comando, que é uma maneira não gráfica de interagir com seu computador. Ou seja, em vez de clicar nos botões, você digitará texto e receberá retornos do seu computador por meio de texto também. A linha de comando, também conhecida como shell, pode ajudá-lo a modificar e automatizar muitas das tarefas que você faz em um computador todos os dias, e é uma ferramenta essencial para desenvolvedores de software.

      O Terminal do macOS é um aplicativo que você pode usar para acessar a interface da linha de comando. Como qualquer outro aplicativo, você pode encontrá-lo indo até o Finder, navegando até a pasta Aplicativos e, em seguida, na pasta Utilitários. A partir daqui, dê um clique duplo no Terminal como qualquer outro aplicativo para abri-lo. Alternativamente, você pode usar o Spotlight mantendo pressionadas as teclas CMD e SPACE para localizar o Terminal digitando-o na caixa que aparece.

      macOS Terminal

      Existem muitos outros comandos do Terminal para aprender que podem permitir que você faça coisas mais poderosas. O artigo “An Introduction to the Linux Terminal” pode te orientar melhor com o terminal do Linux, que é semelhante ao teminal do macOS.

      Agora que você abriu o Terminal, pode fazer o download e instalar o Xcode, um pacote de ferramentas de desenvolvedor que você precisará para instalar o Go.

      Passo 2 — Instalando o Xcode

      O Xcode é um integrated development environment ou ambiente de desenvolvimento integrado (IDE) composto de ferramentas de desenvolvimento de software para macOS. Você pode verificar se o Xcode já está instalado, digitando o seguinte na janela do Terminal:

      A saída a seguir significa que o Xcode está instalado:

      Output

      /Library/Developer/CommandLineTools

      Se você recebeu um erro em seu navegador web, instale o Xcode a partir da App Store e aceite as opções padrão.

      Quando o Xcode estiver instalado, retorne à janela do Terminal. Em seguida, você precisará instalar o app separado de Ferramentas de Linha de Comando do Xcode, que pode ser feito digitando:

      Neste ponto, o Xcode e seu app de Ferramentas de Linha de Comando estão totalmente instalados e estamos prontos para instalar o gerenciador de pacotes Homebrew.

      Passo 3 — Instalando e Configurando o Homebrew

      Embora o Terminal do macOS tenha muitas das funcionalidades dos Terminais Linux e de outros sistemas Unix, ele não é fornecido com um gerenciador de pacotes que acomoda as melhores práticas. Um gerenciador de pacotes é uma coleção de ferramentas de software que trabalham para automatizar processos de instalação que incluem instalação inicial de software, atualização e configuração de software, e remoção de software conforme necessário. Eles mantêm instalações em um local central e podem manter todos os pacotes de software no sistema em formatos comumente usados. Homebrew fornece ao macOS um sistema gerenciador de pacotes de software livre e de código aberto que simplifica a instalação de software no macOS.

      Para instalar o Homebrew, digite isso na sua janela de Terminal:

      • /usr/bin/ruby -e "$(curl -fsSL https://raw.githubusercontent.com/Homebrew/install/master/install)"

      O Homebrew é feito em Ruby, assim ele irá modificar o caminho do Ruby do seu computador. O comando curl baixa um script da URL especificada. Este script explicará o que ele fará e, em seguida, fará uma pausa no processo para solicitar sua confirmação. Isso lhe fornece uma série de comentários sobre o que o script vai fazer no seu sistema e dá a você a oportunidade de verificar o processo.

      Se você precisar digitar sua senha, observe que suas teclas não serão exibidas na janela do Terminal, mas serão gravadas. Basta pressionar a tecla return ou enter depois de inserir sua senha. Caso contrário, pressione a letra y para “sim” quando você for solicitado a confirmar a instalação.

      Vamos dar uma olhada nas flags associadas ao comando curl:

      • A flag -f ou --fail informa à janela do Terminal para não dar saída de documento HTML nos erros de servidor.
      • A flag -s ou --silent silencia o curl para que ele não mostre o medidor de progresso, e combinada com a flag -S ou --show-error ela irá assegurar que curl mostre uma mensagem de erro se falhar.
      • A flag -L ou --location informará ao curl para refazer a solicitação para um novo local se o servidor informar que a página solicitada foi movida para um local diferente.

      Quando o processo de instalação estiver concluído, colocaremos o diretório Homebrew no começo da variável de ambiente PATH. Isso garantirá que as instalações do Homebrew serão chamadas antes das ferramentas que o macOS possa selecionar automaticamente e que podem ser executadas em contraposição ao ambiente de desenvolvimento que estamos criando.

      Você deve criar ou abrir o arquivo ~/.bash_profile com o editor de texto de linha de comando nano usando o comando nano:

      Quando o arquivo abrir na janela do Terminal, escreva o seguinte:

      export PATH=/usr/local/bin:$PATH
      

      Para salvar suas alterações, mantenha pressionada a tecla CTRL e a letra o e, quando solicitado, pressione a tecla RETURN. Agora você pode sair do nano segurando a tecla CTRL e a letra x.

      Ative essas alterações executando o seguinte no Terminal:

      Depois de fazer isso, as alterações feitas na variável de ambiente PATH entrarão em vigor.

      Você pode ter certeza de que o Homebrew foi instalado com sucesso digitando:

      Se nenhuma atualização for necessária neste momento, a saída do Terminal mostrará:

      Output

      Your system is ready to brew.

      Caso contrário, você pode receber um aviso para executar outro comando, como brew update, para garantir que sua instalação do Homebrew esteja atualizada.

      Uma vez que o Homebrew está pronto, você pode instalar o Go.

      Passo 4 — Instalando o Go

      Você pode usar o Homebrew para procurar por todos os pacotes disponíveis com o comando brew search. Para o propósito deste tutorial, você irá procurar por pacotes ou módulos relacionados ao Go:

      Nota: Este tutorial não usa brew search go, pois isso retorna muitos resultados. Como go é uma palavra muito pequena e combinaria com muitos pacotes, tornou-se comum usar golang como termo de busca. Essa é uma prática comum quando se pesquisa na Internet por artigos relacionados ao Go também. O termo Golang nasceu a partir do domínio para o Go, que é golang.org.

      O Terminal mostrará uma lista do que você pode instalar:

      Output

      golang golang-migrate

      O Go estará entre os itens da lista. Vá em frente e instale-o:

      A janela do Terminal lhe dará feedback sobre o processo de instalação do Go. Pode demorar alguns minutos antes da conclusão da instalação.

      Para verificar a versão do Go que você instalou, digite o seguinte:

      Isso mostrará a versão específica do Go que está atualmente instalada, que por padrão será a versão mais atualizada e estável do Go disponível.

      No futuro, para atualizar o Go, você pode executar os seguintes comandos para atualizar o Homebrew e depois atualizar o Go. Você não precisa fazer isso agora, pois acabou de instalar a versão mais recente:

      • brew update
      • brew upgrade golang

      brew update atualizará as fórmulas para o próprio Homebrew, garantindo que você tenha as informações mais recentes sobre os pacotes que deseja instalar. brew upgrade golang atualizará o pacote golang para a sua última versão.

      É uma boa prática garantir que sua versão do Go esteja atualizada.

      Com o Go instalado no seu computador, você está pronto para criar um workspace para seus projetos de Go.

      Passo 5 — Criando o seu Workspace Go

      Agora que você tem o Xcode, Homebrew e Go instalados, você pode criar seu workspace de programação.

      O workspace do Go conterá dois diretórios em sua raiz:

      • src: O diretório que contém os arquivos-fonte do Go. Um arquivo-fonte é um arquivo que você escreve usando a linguagem de programação Go. Arquivos-fonte são usados pelo compilador Go para criar um arquivo binário executável.
      • bin: O diretório que contém executáveis compilados e instalados pelas ferramentas Go. Executáveis são arquivos binários que são executados em seu sistema e executam tarefas. Estes são normalmente os programas compilados a partir do seu código-fonte ou outro código-fonte Go baixado.

      O subdiretório src pode conter vários repositórios de controle de versão (tais como o Git, o Mercurial, e o Bazaar). Você verá diretórios como github.com, golang.org ou outros quando seu programa importar bibliotecas de terceiros. Se você estiver usando um repositório de código como o github.com, você também colocará seus projetos e arquivos-fonte nesse diretório. Isso permite uma importação canônica de código em seu projeto. As importações Canônicas são importações que fazem referência a um pacote completo, como o github.com/digitalocean/godo.

      Aqui está como pode se parecer um workspace típico:

      .
      ├── bin
      │   ├── buffalo                                      # comando executável
      │   ├── dlv                                          # comando executável
      │   └── packr                                        # comando executável
      └── src
          └── github.com
              └── digitalocean
                  └── godo
                      ├── .git                            # metadados do repositório do Git
                      ├── account.go                      # fonte do pacote
                      ├── account_test.go                 # fonte do teste
                      ├── ...
                      ├── timestamp.go
                      ├── timestamp_test.go
                      └── util
                          ├── droplet.go
                          └── droplet_test.go
      

      O diretório padrão para o workspace Go a partir da versão 1.8 é o diretório home do usuário com um subdiretório go ou $HOME/go. Se você estiver usando uma versão anterior à 1.8 do Go, ainda é considerado uma boa prática usar o local $HOME/go para o seu workspace.

      Execute o seguinte comando para criar a estrutura de diretórios para o seu workspace Go:

      • mkdir -p $HOME/go/{bin,src}

      A opção -p diz ao mkdir para criar todos os subdiretórios no diretório, mesmo que eles não existam atualmente. A utilização do {bin, src} cria um conjunto de argumentos para mkdir e diz para ele criar tanto o diretóriobin quanto o diretório src.

      Isso garantirá que a seguinte estrutura de diretórios esteja em vigor:

      └── $HOME
          └── go
              ├── bin
              └── src
      

      Antes do Go 1.8, era necessário definir uma variável de ambiente local chamada $GOPATH. Embora não seja mais explicitamente exigido fazer isso, ainda é considerada uma boa prática, pois muitas ferramentas de terceiros ainda dependem da configuração dessa variável.

      Você pode definir seu $GOPATH adicionando-o ao seu ~/.bash_profile.

      Primeiro, abra ~/.bash_profile com o nano ou seu editor de texto preferido:

      Defina seu $GOPATH adicionando o seguinte ao arquivo:

      ~/.bash_profile

      export GOPATH=$HOME/go
      

      Quando o Go compila e instala ferramentas, ele as coloca no diretório $GOPATH/bin. Por conveniência, é comum adicionar o subdiretório /bin do workspace ao seu PATH no seu arquivo ~/.bash_profile:

      ~/.bash_profile

      export PATH=$PATH:$GOPATH/bin
      

      Agora você deve ter as seguintes entradas no seu ~/.bash_profile:

      ~/.bash_profile

      export GOPATH=$HOME/go
      export PATH=$PATH:$GOPATH/bin
      

      Agora, isso permitirá que você execute todos os programas compilados ou baixados por meio das ferramentas Go em qualquer parte do seu sistema.

      Para atualizar seu shell, execute o seguinte comando para carregar as variáveis globais que você acabou de criar:

      Você pode verificar que seu $PATH está atualizado usando o comando echo e inspecionando a saída:

      Você deve ver seu $GOPATH/bin, que aparecerá no seu diretório home. Se você estivesse logado como sammy, você veria /Users/sammy/go/bin no caminho.

      Output

      /Users/sammy/go/bin:/usr/local/sbin:/usr/local/bin:/usr/bin:/bin:/usr/sbin:/sbin

      Agora que você tem a raiz do workspace criada e sua variável de ambiente $GOPATH definida, você pode criar seus projetos futuros com a seguinte estrutura de diretórios. Este exemplo assume que você está usando o github.com como seu repositório:

      $GOPATH/src/github.com/username/project
      

      Se você estivesse trabalhando no projeto https://github.com/digitalocean/godo, você iria colocá-lo no seguinte diretório:

      $GOPATH/src/github.com/digitalocean/godo
      

      Estruturar seus projetos dessa maneira tornará os projetos disponíveis com a ferramenta go get. Isso também ajudará a legibilidade mais tarde.

      Você pode verificar isso usando o comando go get para buscar a biblioteca godo:

      • go get github.com/digitalocean/godo

      Você pode ver se baixou com sucesso o pacote godo listando o diretório:

      • ls -l $GOPATH/src/github.com/digitalocean/godo

      Você deve ver uma saída semelhante a esta:

      Output

      -rw-r--r-- 1 sammy staff 2892 Apr 5 15:56 CHANGELOG.md -rw-r--r-- 1 sammy staff 1851 Apr 5 15:56 CONTRIBUTING.md . . . -rw-r--r-- 1 sammy staff 4893 Apr 5 15:56 vpcs.go -rw-r--r-- 1 sammy staff 4091 Apr 5 15:56 vpcs_test.go

      Neste passo, você criou um workspace Go e configurou as variáveis de ambiente necessárias. No próximo passo, você testará o workspace com algum código.

      Passo 6 — Criando um Programa Simples

      Agora que você tem o workspace Go configurado, é hora de criar um simples programa “Hello, World!”. Isso garantirá que o workspace esteja configurado corretamente e também lhe dará a oportunidade de se familiarizar com o Go.

      Como estamos criando um único arquivo-fonte Go, e não um projeto real, não precisamos estar em nosso workspace para fazer isso.

      A partir do seu diretório home, abra um editor de texto de linha de comando, como o nano, e crie um novo arquivo:

      Quando o arquivo de texto abrir no Terminal, digite seu programa:

      package main
      
      import "fmt"
      
      func main() {
          fmt.Println("Hello, World!")
      }
      

      Saia do nano pressionando as teclas control e x, e quando solicitado a salvar o arquivo, pressione y.

      Este código usará o pacote fmt e chamará a função Println com Hello, World! como argumento. Isso fará com que a frase Hello, World! seja impressa no terminal quando o programa for executado.

      Ao sair do nano e retornar ao seu shell, execute o programa:

      O programa hello.go que você acabou de criar fará com que o Terminal produza a seguinte saída:

      Output

      Hello, World!

      Neste passo, você usou um programa básico para verificar se seu workspace Go está configurado corretamente.

      Conclusão

      Parabéns! Neste ponto, você tem um workspace de programação Go configurado em sua máquina local com macOS e pode começar um projeto de codificação!



      Source link

      Como Instalar o Go e Configurar um Ambiente de Programação Local no Ubuntu 18.04


      Introdução

      Go é uma linguagem de programação que nasceu da frustração no Google. Os desenvolvedores precisavam escolher continuamente uma linguagem que fosse executada com eficiência, mas demoravam muito tempo para compilar ou escolher uma linguagem fácil de programar, mas que era executada de forma ineficiente em produção. O Go foi projetado para ter todas as três características disponíveis ao mesmo tempo: compilação rápida, facilidade de programação e execução eficiente em produção.

      Embora o Go seja uma linguagem de programação versátil que pode ser usada para muitos projetos de programação diferentes, ela é particularmente adequada para programas de rede/sistemas distribuídos e ganhou a reputação de ser “a linguagem da nuvem”. Ela se concentra em ajudar o programador moderno a fazer mais com um conjunto forte de ferramentas, removendo debates sobre formatação ao tornar o formato parte da especificação da linguagem, bem como ao facilitar o deploy ao compilar para um único binário. O Go é fácil de aprender, com um conjunto muito pequeno de palavras-chave, o que o torna uma ótima opção para iniciantes e igualmente para desenvolvedores experientes.

      Este tutorial irá guiá-lo pela instalação e configuração de um workspace de programação com o Go via linha de comando. Este tutorial cobrirá explicitamente o procedimento de instalação para o Ubuntu 18.04, mas os princípios gerais podem se aplicar a outras distribuições Debian Linux.

      Pré-requisitos

      Você precisará de um computador ou máquina virtual com o Ubuntu 18.04 instalado, além de ter acesso administrativo a essa máquina e uma conexão à Internet. Você pode baixar este sistema operacional através da página de releases do Ubuntu 18.04.

      Passo 1 — Configurando o Go

      Neste passo, você instalará o Go fazendo o download da versão atual da página oficial de downloads do Go.

      Para fazer isso, você vai querer encontrar a URL para o tarball do binário da versão atual. Você também vai querer anotar o hash SHA256 listado ao lado dele, pois você usará esse hash para verificar o arquivo baixado.

      Você estará concluindo a instalação e a configuração na linha de comando, que é uma maneira não gráfica de interagir com seu computador. Ou seja, em vez de clicar nos botões, você digitará texto e receberá retornos do seu computador por meio de texto também.

      A linha de comando, também conhecida como shell ou terminal, pode ajudá-lo a modificar e automatizar muitas das tarefas que você faz em um computador todos os dias e é uma ferramenta essencial para desenvolvedores de software. Existem muitos comandos de terminal para aprender que podem permitir que você faça coisas mais poderosas. Para mais informações sobre a linha de comando, confira o tutorial Introdução ao Terminal do Linux.

      No Ubuntu 18.04, você pode encontrar o aplicativo Terminal clicando no ícone do Ubuntu no canto superior esquerdo da tela e digitando terminal na barra de pesquisa. Clique no ícone do aplicativo Terminal para abri-lo. Alternativamente, você pode pressionar as teclas CTRL,ALT e T no teclado simultaneamente para abrir o aplicativo Terminal automaticamente.

      Ubuntu Terminal

      Quando o terminal estiver aberto, você instalará manualmente os binários do Go. Embora você possa usar um gerenciador de pacotes, como o apt-get, percorrer as etapas de instalação manual o ajudará a entender as alterações de configuração necessárias ao sistema para ter um workspace Go válido.

      Antes de baixar o Go, certifique-se de estar no diretório home (~):

      Use o curl para recuperar a URL do tarball que você copiou da página oficial de downloads do Go:

      • curl -O https://dl.google.com/go/go1.12.1.linux-amd64.tar.gz

      Em seguida, use sha256sum para verificar o tarball:

      • sha256sum go1.12.1.linux-amd64.tar.gz

      O hash que é exibido a partir da execução do comando acima deve corresponder ao hash que estava na página de downloads. Se não, então este não é um arquivo válido e você deve baixar o arquivo novamente.

      Output

      2a3fdabf665496a0db5f41ec6af7a9b15a49fbe71a85a50ca38b1f13a103aeec go1.12.1.linux-amd64.tar.gz

      Em seguida, extraia o arquivo baixado e instale-o no local desejado no sistema. É considerado uma boa prática mantê-lo em /usr/local:

      • sudo tar -xvf go1.12.1.linux-amd64.tar.gz -C /usr/local

      Você terá agora um diretório chamado go no diretório /usr/local. Em seguida, altere recursivamente o proprietário e o grupo deste diretório para root:

      • sudo chown -R root:root /usr/local/go

      Isso protegerá todos os arquivos e garantirá que apenas o usuário root possa executar os binários do Go.

      Nota: Embora /usr/local/go seja o local oficialmente recomendado, alguns usuários podem preferir ou exigir caminhos diferentes.

      Nesta etapa, você baixou e instalou o Go na sua máquina Ubuntu 18.04. Na próxima etapa, você configurará seu workspace de Go.

      Passo 2 — Criando seu Workspace de Go

      Você pode criar seu workspace de programação agora que o Go está instalado. O workspace do Go conterá dois diretórios em sua raiz:

      • src: O diretório que contém os arquivos-fonte do Go. Um arquivo-fonte é um arquivo que você escreve usando a linguagem de programação Go. Arquivos-fonte são usados pelo compilador Go para criar um arquivo binário executável.
      • bin: O diretório que contém executáveis compilados e instalados pelas ferramentas Go. Executáveis são arquivos binários que são executados em seu sistema e executam tarefas. Estes são normalmente os programas compilados a partir do seu código-fonte ou outro código-fonte Go baixado.

      O subdiretório src pode conter vários repositórios de controle de versão (tais como o Git, o Mercurial, e o Bazaar). Isso permite uma importação canônica de código em seu projeto. As importações canônicas são importações que fazem referência a um pacote completo, como o github.com/digitalocean/godo.

      Você verá diretórios como github.com, golang.org ou outros quando seu programa importar bibliotecas de terceiros. Se você estiver usando um repositório de código como o github.com, você também colocará seus projetos e arquivos-fonte nesse diretório. Vamos explorar esse conceito mais adiante neste passo.

      Aqui está como pode se parecer um workspace típico:

      .
      ├── bin
      │   ├── buffalo                                      # comando executável
      │   ├── dlv                                          # comando executável
      │   └── packr                                        # comando executável
      └── src
          └── github.com
              └── digitalocean
                  └── godo
                      ├── .git                            # metadados do repositório do Git
                      ├── account.go                      # fonte do pacote
                      ├── account_test.go                 # fonte do teste
                      ├── ...
                      ├── timestamp.go
                      ├── timestamp_test.go
                      └── util
                          ├── droplet.go
                          └── droplet_test.go
      

      O diretório padrão para o workspace Go a partir da versão 1.8 é o diretório home do usuário com um subdiretório go ou $HOME/go. Se você estiver usando uma versão anterior à 1.8 do Go, ainda é considerado uma boa prática usar o local $HOME/go para o seu workspace.

      Execute o seguinte comando para criar a estrutura de diretórios para o seu workspace Go:

      • mkdir -p $HOME/go/{bin,src}

      A opção -p diz ao mkdir para criar todos os subdiretórios no diretório, mesmo que eles não existam atualmente. A utilização do {bin, src} cria um conjunto de argumentos para mkdir e diz para ele criar tanto o diretóriobin quanto o diretório src.

      Isso garantirá que a seguinte estrutura de diretórios esteja em vigor:

      └── $HOME
          └── go
              ├── bin
              └── src
      

      Antes do Go 1.8, era necessário definir uma variável de ambiente local chamada $GOPATH. $GOPATH diz ao compilador onde encontrar o código-fonte importado de terceiros, bem como qualquer código-fonte local que você tenha escrito. Embora não seja mais explicitamente exigido, ainda é considerada uma boa prática, pois muitas ferramentas de terceiros ainda dependem da configuração dessa variável.

      Você pode definir seu $GOPATH adicionando as variáveis globais ao seu ~/.profile. Você pode querer adicionar isto ao arquivo .zshrc ou .bashrc de acordo com a configuração do seu shell.

      Primeiro, abra o ~/.profile com o nano ou seu editor de textos preferido:

      Configure seu $GOPATH adicionando o seguinte ao arquivo:

      ~/.profile

      export GOPATH=$HOME/go
      

      Quando o Go compila e instala ferramentas, ele as coloca no diretório $GOPATH/bin. Por conveniência, é comum adicionar o subdiretório /bin do workspace ao seu PATH no seu ~/.profile:

      ~/.profile

      export PATH=$PATH:$GOPATH/bin
      

      Isso permitirá que você execute quaisquer programas compilados ou baixados por meio das ferramentas Go em qualquer parte do sistema.

      Finalmente, você precisa adicionar o binário go ao seu PATH. Você pode fazer isso adicionando /usr/local/go/bin ao final da linha:

      ~/.profile

      export PATH=$PATH:$GOPATH/bin:/usr/local/go/bin
      

      Adicionar /usr/local/go/bin ao seu $PATH torna todas as ferramentas Go disponíveis em qualquer lugar do seu sistema.

      Para atualizar seu shell, execute o seguinte comando para carregar as variáveis globais:

      Você pode verificar se seu $PATH está atualizado usando o comando echo e inspecionando a saída:

      Você verá o seu $GOPATH/bin que aparecerá no seu diretório pessoal. Se você está logado como root, você verá /root/go/bin no caminho.

      Output

      /usr/local/sbin:/usr/local/bin:/usr/sbin:/usr/bin:/sbin:/bin:/usr/games:/usr/local/games:/snap/bin:/root/go/bin:/usr/local/go/bin

      Você também verá o caminho para as ferramentas Go /usr/local/go/bin:

      Output

      /usr/local/sbin:/usr/local/bin:/usr/sbin:/usr/bin:/sbin:/bin:/usr/games:/usr/local/games:/snap/bin:/root/go/bin:/usr/local/go/bin

      Verifique a instalação, conferindo a versão atual do Go:

      E devemos receber uma saída assim:

      Output

      go version go1.12.1 linux/amd64

      Agora que você tem a raiz do workspace criada e sua variável de ambiente $GOPATH definida, você pode criar seus projetos futuros com a seguinte estrutura de diretórios. Este exemplo assume que você está usando o github.com como seu repositório:

      $GOPATH/src/github.com/username/project
      

      Então, como um exemplo, se você estivesse trabalhando no projeto https://github.com/digitalocean/godo, ele seria armazenado no seguinte diretório:

      $GOPATH/src/github.com/digitalocean/godo
      

      Esta estrutura de projeto disponibilizará projetos com a ferramenta go get. Também ajudará a legibilidade mais tarde. Você pode verificar isso usando o comando go get e buscar a biblioteca godo:

      • go get github.com/digitalocean/godo

      Isto irá baixar o conteúdo da biblioteca godo e criar o diretório $GOPATH/src/github.com/digitalocean/godo em sua máquina.

      Você pode verificar se baixou com sucesso o pacote godo listando o diretório:

      • ll $GOPATH/src/github.com/digitalocean/godo

      Você deve ver uma saída semelhante a esta:

      Output

      drwxr-xr-x 4 root root 4096 Apr 5 00:43 ./ drwxr-xr-x 3 root root 4096 Apr 5 00:43 ../ drwxr-xr-x 8 root root 4096 Apr 5 00:43 .git/ -rwxr-xr-x 1 root root 8 Apr 5 00:43 .gitignore* -rw-r--r-- 1 root root 61 Apr 5 00:43 .travis.yml -rw-r--r-- 1 root root 2808 Apr 5 00:43 CHANGELOG.md -rw-r--r-- 1 root root 1851 Apr 5 00:43 CONTRIBUTING.md . . . -rw-r--r-- 1 root root 4893 Apr 5 00:43 vpcs.go -rw-r--r-- 1 root root 4091 Apr 5 00:43 vpcs_test.go

      Neste passo, você criou um workspace Go e configurou as variáveis de ambiente necessárias. No próximo passo, você testará o workspace com algum código.

      Passo 3 — Criando um Programa Simples

      Agora que você tem o workspace Go configurado, crie um programa “Hello, World!”. Isso garantirá que o workspace esteja configurado corretamente e também lhe dará a oportunidade de se familiarizar com o Go. Como estamos criando um único arquivo-fonte Go, e não um projeto real, não precisamos estar em nosso workspace para fazer isso.

      A partir do seu diretório home, abra um editor de texto de linha de comando, como o nano, e crie um novo arquivo:

      Escreva seu programa em seu novo arquivo:

      package main
      
      import "fmt"
      
      func main() {
          fmt.Println("Hello, World!")
      }
      

      Este código usará o pacote fmt e chamará a função Println com Hello, World! como argumento. Isso fará com que a frase Hello, World! seja impressa no terminal quando o programa for executado.

      Saia do nano pressionando as teclas CTRL e X. Quando solicitado a salvar o arquivo, pressione Y e depois ENTER.

      Ao sair do nano e retornar ao seu shell, execute o programa:

      go run hello.go
      

      O programa hello.go fará com que o terminal produza a seguinte saída:

      Output

      Hello, World!

      Nesta etapa, você usou um programa básico para verificar se seu workspace Go está configurado corretamente.

      Conclusão

      Parabéns! Neste ponto, você tem um workspace de programação Go configurado em sua máquina Ubuntu e pode começar um projeto de codificação!



      Source link