One place for hosting & domains

      Como Usar o Traefik como um Proxy Reverso para Containers do Docker no CentOS 7


      O autor selecionou o Girls Who Code para receber uma doação como parte do programa Write for DOnations.

      Introdução

      O Docker pode ser uma maneira eficiente de executar aplicativos web em produção, mas você pode querer executar vários aplicativos no mesmo host do Docker. Nesta situação, você precisará configurar um proxy reverso, já que você só deseja expor as portas 80 e 443 para o resto do mundo.

      O Traefik é um proxy reverso que reconhece o Docker e inclui seu próprio painel de monitoramento ou dashboard. Neste tutorial, você usará o Traefik para rotear solicitações para dois containers de aplicação web diferentes: um container WordPress e um container Adminer, cada um falando com um banco de dados MySQL. Você irá configurar o Traefik para servir tudo através de HTTPS utilizando o Let’s Encrypt.

      Pré-requisitos

      Para acompanhar este tutorial, você vai precisar do seguinte:

      Passo 1 — Configurando e Executando o Traefik

      O projeto do Traefik tem uma imagem Docker oficial, portanto vamos utilizá-la para executar o Traefik em um container Docker.

      Mas antes de colocarmos o nosso container Traefik em funcionamento, precisamos criar um arquivo de configuração e configurar uma senha criptografada para que possamos acessar o painel de monitoramento.

      Usaremos o utilitário htpasswd para criar essa senha criptografada. Primeiro, instale o utilitário, que está incluído no pacote httpd-tools:

      • sudo yum install -y httpd-tools

      Em seguida, gere a senha com o htpasswd. Substitua senha_segura pela senha que você gostaria de usar para o usuário admin do Traefik:

      • htpasswd -nb admin senha_segura

      A saída do programa ficará assim:

      Output

      admin:$apr1$kEG/8JKj$yEXj8vKO7HDvkUMI/SbOO.

      Você utilizará essa saída no arquivo de configuração do Traefik para configurar a Autenticação Básica de HTTP para a verificação de integridade do Traefik e para o painel de monitoramento. Copie toda a linha de saída para poder colá-la mais tarde.

      Para configurar o servidor Traefik, criaremos um novo arquivo de configuração chamado traefik.toml usando o formato TOML. O TOML é uma linguagem de configuração semelhante ao arquivos INI, mas padronizado. Esse arquivo nos permite configurar o servidor Traefik e várias integrações, ou providers, que queremos usar. Neste tutorial, usaremos três dos provedores disponíveis do Traefik: api,docker e acme, que é usado para suportar o TLS utilizando o Let’s Encrypt.

      Abra seu novo arquivo no vi ou no seu editor de textos favorito:

      Entre no modo de inserção pressionando i, adicione dois EntryPoints nomeados http ehttps, que todos os backends terão acesso por padrão:

      traefik.toml

      defaultEntryPoints = ["http", "https"]
      

      Vamos configurar os EntryPoints http e https posteriormente neste arquivo.

      Em seguida, configure o provider api, que lhe dá acesso a uma interface do painel. É aqui que você irá colar a saída do comando htpasswd:

      traefik.toml

      ...
      [entryPoints]
        [entryPoints.dashboard]
          address = ":8080"
          [entryPoints.dashboard.auth]
            [entryPoints.dashboard.auth.basic]
              users = ["admin:sua_senha_criptografada"]
      
      [api]
      entrypoint="dashboard"
      

      O painel é uma aplicação web separada que será executada no container do Traefik. Vamos definir o painel para executar na porta 8080.

      A seção entrypoints.dashboard configura como nos conectaremos com o provider da api, e a seção entrypoints.dashboard.auth.basic configura a Autenticação Básica HTTP para o painel. Use a saída do comando htpasswd que você acabou de executar para o valor da entrada users. Você poderia especificar logins adicionais, separando-os com vírgulas.

      Definimos nosso primeiro entryPoint, mas precisaremos definir outros para comunicação HTTP e HTTPS padrão que não seja direcionada para o provider da api. A seção entryPoints configura os endereços que o Traefik e os containers com proxy podem escutar. Adicione estas linhas ao arquivo logo abaixo do cabeçalho entryPoints:

      traefik.toml

      ...
        [entryPoints.http]
          address = ":80"
            [entryPoints.http.redirect]
              entryPoint = "https"
        [entryPoints.https]
          address = ":443"
            [entryPoints.https.tls]
      ...
      

      O entrypoint http manipula a porta 80, enquanto o entrypoint https usa a porta443 para o TLS/SSL. Redirecionamos automaticamente todo o tráfego na porta 80 para o entrypoint https para forçar conexões seguras para todas as solicitações.

      Em seguida, adicione esta seção para configurar o suporte ao certificado Let's Encrypt do Traefik:

      traefik.toml

      ...
      [acme]
      email = "seu_email@seu_domínio"
      storage = "acme.json"
      entryPoint = "https"
      onHostRule = true
        [acme.httpChallenge]
        entryPoint = "http"
      

      Esta seção é chamada acme porque ACME é o nome do protocolo usado para se comunicar com o Let's Encrypt para gerenciar certificados. O serviço Let's Encrypt requer o registro com um endereço de e-mail válido, portanto, para que o Traefik gere certificados para nossos hosts, defina a chave email como seu endereço de e-mail. Em seguida, vamos especificar que armazenaremos as informações que vamos receber do Let's Encrypt em um arquivo JSON chamado acme.json. A chave entryPoint precisa apontar para a porta de manipulação do entrypoint 443, que no nosso caso é o entrypoint https.

      A chave onHostRule determina como o Traefik deve gerar certificados. Queremos buscar nossos certificados assim que nossos containers com os nomes de host especificados forem criados, e é isso que a configuração onHostRule fará.

      A seção acme.httpChallenge nos permite especificar como o Let's Encrypt pode verificar se o certificado deve ser gerado. Estamos configurando-o para servir um arquivo como parte do desafio através do entrypoint http.

      Finalmente, vamos configurar o provider docker adicionando estas linhas ao arquivo:

      traefik.toml

      ...
      [docker]
      domain = "seu_domínio"
      watch = true
      network = "web"
      

      O provedor docker permite que o Traefik atue como um proxy na frente dos containers do Docker. Configuramos o provider para vigiar ou watch por novos containers na rede web (que criaremos em breve) e os expor como subdomínios de seu_domínio.

      Neste ponto, o traefik.toml deve ter o seguinte conteúdo:

      traefik.toml

      defaultEntryPoints = ["http", "https"]
      
      [entryPoints]
        [entryPoints.dashboard]
          address = ":8080"
          [entryPoints.dashboard.auth]
            [entryPoints.dashboard.auth.basic]
              users = ["admin:sua_senha_criptografada"]
        [entryPoints.http]
          address = ":80"
            [entryPoints.http.redirect]
              entryPoint = "https"
        [entryPoints.https]
          address = ":443"
            [entryPoints.https.tls]
      
      [api]
      entrypoint="dashboard"
      
      [acme]
      email = "seu_email@seu_domínio"
      storage = "acme.json"
      entryPoint = "https"
      onHostRule = true
        [acme.httpChallenge]
        entryPoint = "http"
      
      [docker]
      domain = "seu_domínio"
      watch = true
      network = "web"
      

      Depois de adicionar o conteúdo, pressione ESC para sair do modo de inserção. Digite :x e depois ENTER para salvar e sair do arquivo. Com toda essa configuração pronta, podemos ativar o Traefik.

      Passo 2 – Executando o Container Traefik

      Em seguida, crie uma rede do Docker para o proxy compartilhar com os containers. A rede do Docker é necessária para que possamos usá-la com aplicações que são executadas usando o Docker Compose. Vamos chamar essa rede de web.

      • docker network create web

      Quando o container Traefik iniciar, nós o adicionaremos a essa rede. Em seguida, podemos adicionar containers adicionais a essa rede posteriormente para o Traefik fazer proxy.

      Em seguida, crie um arquivo vazio que conterá as informações do Let's Encrypt. Compartilharemos isso no container para que o Traefik possa usá-lo:

      O Traefik só poderá usar esse arquivo se o usuário root dentro do container tiver acesso exclusivo de leitura e gravação a ele. Para fazer isso, bloqueie as permissões em acme.json para que somente o proprietário do arquivo tenha permissão de leitura e gravação.

      Depois que o arquivo for repassado para o Docker, o proprietário será automaticamente alterado para o usuário root dentro do container.

      Finalmente, crie o container Traefik com este comando:

      • docker run -d
      • -v /var/run/docker.sock:/var/run/docker.sock
      • -v $PWD/traefik.toml:/traefik.toml
      • -v $PWD/acme.json:/acme.json
      • -p 80:80
      • -p 443:443
      • -l traefik.frontend.rule=Host:monitor.seu_domínio
      • -l traefik.port=8080
      • --network web
      • --name traefik
      • traefik:1.7.6-alpine

      O comando é um pouco longo, então vamos dividi-lo.

      Usamos a flag -d para executar o container em segundo plano como um daemon. Em seguida, compartilhamos nosso arquivo docker.sock dentro do container para que o processo do Traefik possa escutar por alterações nos containers. Compartilhamos também o arquivo de configuração traefik.toml e o arquivoacme.json que criamos dentro do container.

      Em seguida, mapeamos as portas :80 e :443 do nosso host Docker para as mesmas portas no container Traefik, para que o Traefik receba todo o tráfego HTTP e HTTPS para o servidor.

      Em seguida, configuramos dois labels do Docker que informam ao Traefik para direcionar o tráfego para o monitor.seu_domínio para a porta :8080 dentro do container do Traefik, expondo o painel de monitoramento.

      Configuramos a rede do container para web, e nomeamos o container para traefik.

      Finalmente, usamos a imagem traefik:1.7.6-alpine para este container, porque é pequena.

      Um ENTRYPOINT da imagem do Docker é um comando que sempre é executado quando um container é criado a partir da imagem. Neste caso, o comando é o binário traefik dentro do container. Você pode passar argumentos adicionais para esse comando quando você inicia o container, mas definimos todas as nossas configurações no arquivo traefik.toml.

      Com o container iniciado, agora você tem um painel que você pode acessar para ver a integridade de seus containers. Você também pode usar este painel para visualizar os frontends e backends que o Traefik registrou. Acesse o painel de monitoramento apontando seu navegador para https://monitor.seu_domínio. Você será solicitado a fornecer seu nome de usuário e senha, que são admin e a senha que você configurou no Passo 1.

      Uma vez logado, você verá uma interface semelhante a esta:

      Empty Traefik dashboard

      Ainda não há muito o que ver, mas deixe essa janela aberta e você verá o conteúdo mudar à medida que você adiciona containers para o Traefik trabalhar.

      Agora temos nosso proxy Traefik em execução, configurado para funcionar com o Docker, e pronto para monitorar outros containers Docker. Vamos iniciar alguns containers para que o Traefik possa agir como proxy para eles.

      Com o container do Traefik em execução, você está pronto para executar aplicações por trás dele. Vamos lançar os seguintes containers por trás do Traefik:

      1. Um blog usando a imagem oficial do WordPress.

      2. Um servidor de gerenciamento de banco de dados usando a imagem oficial do Adminer.

      Vamos gerenciar essas duas aplicações com o Docker Compose usando um arquivo docker-compose.yml. Abra o arquivo docker-compose.yml em seu editor:

      Adicione as seguintes linhas ao arquivo para especificar a versão e as redes que usaremos:

      docker-compose.yml

      version: "3"
      
      networks:
        web:
          external: true
        internal:
          external: false
      

      Usamos a versão 3 do Docker Compose porque é a mais nova versão principal do formato de arquivo Compose.

      Para o Traefik reconhecer nossas aplicações, elas devem fazer parte da mesma rede e, uma vez que criamos a rede manualmente, nós a inserimos especificando o nome da rede web e configurandoexternal para true. Em seguida, definimos outra rede para que possamos conectar nossos containers expostos a um container de banco de dados que não vamos expor por meio do Traefik. Chamaremos essa rede de internal.

      Em seguida, definiremos cada um dos nossos serviços ou services, um de cada vez. Vamos começar com o container blog, que basearemos na imagem oficial do WordPress. Adicione esta configuração ao arquivo:

      docker-compose.yml

      version: "3"
      ...
      
      services:
        blog:
          image: wordpress:4.9.8-apache
          environment:
            WORDPRESS_DB_PASSWORD:
          labels:
            - traefik.backend=blog
            - traefik.frontend.rule=Host:blog.seu_domínio
            - traefik.docker.network=web
            - traefik.port=80
          networks:
            - internal
            - web
          depends_on:
            - mysql
      

      A chave environment permite que você especifique variáveis de ambiente que serão definidas dentro do container. Ao não definir um valor para WORDPRESS_DB_PASSWORD, estamos dizendo ao Docker Compose para obter o valor de nosso shell e repassá-lo quando criamos o container. Vamos definir essa variável de ambiente em nosso shell antes de iniciar os containers. Dessa forma, não codificamos senhas no arquivo de configuração.

      A seção labels é onde você especifica os valores de configuração do Traefik. As labels do Docker não fazem nada sozinhas, mas o Traefik as lê para saber como tratar os containers. Veja o que cada uma dessas labels faz:

      • traefik.backend especifica o nome do serviço de backend no Traefik (que aponta para o container real blog).
      • traefik.frontend.rule=Host:blog.seu_domínio diz ao Traefik para examinar o host solicitado e, se ele corresponde ao padrão de blog.seu_domínio, ele deve rotear o tráfego para o container blog.
      • traefik.docker.network=web especifica qual rede procurar sob o Traefik para encontrar o IP interno para esse container. Como o nosso container Traefik tem acesso a todas as informações do Docker, ele possivelmente levaria o IP para a rede internal se não especificássemos isso.
      • traefik.port especifica a porta exposta que o Traefik deve usar para rotear o tráfego para esse container.

      Com essa configuração, todo o tráfego enviado para a porta 80 do host do Docker será roteado para o container blog.

      Atribuímos este container a duas redes diferentes para que o Traefik possa encontrá-lo através da rede web e possa se comunicar com o container do banco de dados através da rede internal.

      Por fim, a chave depends_on informa ao Docker Compose que este container precisa ser iniciado após suas dependências estarem sendo executadas. Como o WordPress precisa de um banco de dados para ser executado, devemos executar nosso container mysql antes de iniciar nosso containerblog.

      Em seguida, configure o serviço MySQL adicionando esta configuração ao seu arquivo:

      docker-compose.yml

      services:
      ...
        mysql:
          image: mysql:5.7
          environment:
            MYSQL_ROOT_PASSWORD:
          networks:
            - internal
          labels:
            - traefik.enable=false
      

      Estamos usando a imagem oficial do MySQL 5.7 para este container. Você notará que estamos mais uma vez usando um item environment sem um valor. As variáveis MYSQL_ROOT_PASSWORD eWORDPRESS_DB_PASSWORD precisarão ser configuradas com o mesmo valor para garantir que nosso container WordPress possa se comunicar com o MySQL. Nós não queremos expor o container mysql para o Traefik ou para o mundo externo, então estamos atribuindo este container apenas à rede internal. Como o Traefik tem acesso ao soquete do Docker, o processo ainda irá expor um frontend para o container mysql por padrão, então adicionaremos a label traefik.enable=false para especificar que o Traefik não deve expor este container.

      Por fim, adicione essa configuração para definir o container do Adminer:

      docker-compose.yml

      services:
      ...
        adminer:
          image: adminer:4.6.3-standalone
          labels:
            - traefik.backend=adminer
            - traefik.frontend.rule=Host:db-admin.seu_domínio
            - traefik.docker.network=web
            - traefik.port=8080
          networks:
            - internal
            - web
          depends_on:
            - mysql
      

      Este container é baseado na imagem oficial do Adminer. A configuração network e depends_on para este container corresponde exatamente ao que estamos usando para o container blog.

      No entanto, como estamos redirecionando todo o tráfego para a porta 80 em nosso host Docker diretamente para o container blog, precisamos configurar esse container de forma diferente para que o tráfego chegue ao container adminer. A linha traefik.frontend.rule=Host:db-admin.seu_domínio diz ao Traefik para examinar o host solicitado. Se ele corresponder ao padrão do db-admin.seu_domínio, o Traefik irá rotear o tráfego para o container adminer.

      Neste ponto, docker-compose.yml deve ter o seguinte conteúdo:

      docker-compose.yml

      version: "3"
      
      networks:
        web:
          external: true
        internal:
          external: false
      
      services:
        blog:
          image: wordpress:4.9.8-apache
          environment:
            WORDPRESS_DB_PASSWORD:
          labels:
            - traefik.backend=blog
            - traefik.frontend.rule=Host:blog.seu_domínio
            - traefik.docker.network=web
            - traefik.port=80
          networks:
            - internal
            - web
          depends_on:
            - mysql
        mysql:
          image: mysql:5.7
          environment:
            MYSQL_ROOT_PASSWORD:
          networks:
            - internal
          labels:
            - traefik.enable=false
        adminer:
          image: adminer:4.6.3-standalone
          labels:
            - traefik.backend=adminer
            - traefik.frontend.rule=Host:db-admin.seu_domínio
            - traefik.docker.network=web
            - traefik.port=8080
          networks:
            - internal
            - web
          depends_on:
            - mysql
      

      Salve o arquivo e saia do editor de texto.

      Em seguida, defina valores em seu shell para as variáveis WORDPRESS_DB_PASSWORD e MYSQL_ROOT_PASSWORD antes de iniciar seus containers:

      • export WORDPRESS_DB_PASSWORD=senha_segura_do_banco_de_dados
      • export MYSQL_ROOT_PASSWORD=senha_segura_do_banco_de_dados

      Substitua senha_segura_do_banco_de_dados pela sua senha do banco de dados desejada. Lembre-se de usar a mesma senha tanto para WORDPRESS_DB_PASSWORD quanto para MYSQL_ROOT_PASSWORD.

      Com estas variáveis definidas, execute os containers usando o docker-compose:

      Agora, dê outra olhada no painel de administrador do Traefik. Você verá que agora existe um backend e um frontend para os dois servidores expostos:

      Populated Traefik dashboard

      Navegue até blog.seu_domínio, substituindo seu_domínio pelo seu domínio. Você será redirecionado para uma conexão TLS e poderá agora concluir a configuração do WordPress:

      WordPress setup screen

      Agora acesse o Adminer visitando db-admin.seu_domínio no seu navegador, novamente substituindo seu_domínio pelo seu domínio. O container mysql não está exposto ao mundo externo, mas o container adminer tem acesso a ele através da rede internal do Docker que eles compartilham usando o nome do container mysql como um nome de host.

      Na tela de login do Adminer, use o nome de usuário root, use mysql para o server, e use o valor que você definiu para MYSQL_ROOT_PASSWORD para a senha. Uma vez logado, você verá a interface de usuário do Adminer:

      Adminer connected to the MySQL database

      Ambos os sites agora estão funcionando, e você pode usar o painel em monitor.seu_domínio para ficar de olho em suas aplicações.

      Conclusão

      Neste tutorial, você configurou o Traefik para fazer proxy das solicitações para outras aplicações em containers Docker.

      A configuração declarativa do Traefik no nível do container da aplicação facilita a configuração de mais serviços, e não há necessidade de reiniciar o container traefik quando você adiciona novas aplicações para fazer proxy, uma vez que o Traefik percebe as alterações imediatamente através do arquivo de soquete do Docker que ele está monitorando.

      Para saber mais sobre o que você pode fazer com o Traefik, consulte a documentação oficial do Traefik. Se você quiser explorar mais os containers Docker, confira Como Configurar um Registro Privado do Docker no Ubuntu 18.04 ou How To Secure a Containerized Node.js Application with Nginx, Let's Encrypt, and Docker Compose. Embora esses tutoriais sejam escritos para o Ubuntu 18.04, muitos dos comandos específicos do Docker podem ser usados para o CentOS 7.



      Source link

      Como Usar o Traefik como um Proxy Reverso para Containers do Docker no Ubuntu 18.04


      O autor selecionou o Girls Who Code para receber uma doação como parte do programa Write for DOnations.

      Introdução

      O Docker pode ser uma maneira eficiente de executar aplicativos web em produção, mas você pode querer executar vários aplicativos no mesmo host do Docker. Nesta situação, você precisará configurar um proxy reverso, já que você só deseja expor as portas 80 e 443 para o resto do mundo.

      O Traefik é um proxy reverso que reconhece o Docker e inclui seu próprio painel de monitoramento ou dashboard. Neste tutorial, você usará o Traefik para rotear solicitações para dois containers de aplicação web diferentes: um container WordPress e um container Adminer, cada um falando com um banco de dados MySQL. Você irá configurar o Traefik para servir tudo através de HTTPS utilizando o Let’s Encrypt.

      Pré-requisitos

      Para acompanhar este tutorial, você vai precisar do seguinte:

      Passo 1 — Configurando e Executando o Traefik

      O projeto do Traefik tem uma imagem Docker oficial, portanto vamos utilizá-la para executar o Traefik em um container Docker.

      Mas antes de colocarmos o nosso container Traefik em funcionamento, precisamos criar um arquivo de configuração e configurar uma senha criptografada para que possamos acessar o painel de monitoramento.

      Usaremos o utilitário htpasswd para criar essa senha criptografada. Primeiro, instale o utilitário, que está incluído no pacote apache2-utils:

      • sudo apt-get install apache2-utils

      Em seguida, gere a senha com o htpasswd. Substitua senha_segura pela senha que você gostaria de usar para o usuário admin do Traefik:

      • htpasswd -nb admin senha_segura

      A saída do programa ficará assim:

      Output

      admin:$apr1$ruca84Hq$mbjdMZBAG.KWn7vfN/SNK/

      Você utilizará essa saída no arquivo de configuração do Traefik para configurar a Autenticação Básica de HTTP para a verificação de integridade do Traefik e para o painel de monitoramento. Copie toda a linha de saída para poder colá-la mais tarde.

      Para configurar o servidor Traefik, criaremos um novo arquivo de configuração chamado traefik.toml usando o formato TOML. O TOML é uma linguagem de configuração semelhante ao arquivos INI, mas padronizado. Esse arquivo nos permite configurar o servidor Traefik e várias integrações, ou providers, que queremos usar. Neste tutorial, usaremos três dos provedores disponíveis do Traefik: api,docker e acme, que é usado para suportar o TLS utilizando o Let’s Encrypt.

      Abra seu novo arquivo no nano ou no seu editor de textos favorito:

      Primeiro, adicione dois EntryPoints nomeados http ehttps, que todos os backends terão acesso por padrão:

      traefik.toml

      defaultEntryPoints = ["http", "https"]
      

      Vamos configurar os EntryPoints http e https posteriormente neste arquivo.

      Em seguida, configure o provider api, que lhe dá acesso a uma interface do painel. É aqui que você irá colar a saída do comando htpasswd:

      traefik.toml

      
      ...
      [entryPoints]
        [entryPoints.dashboard]
          address = ":8080"
          [entryPoints.dashboard.auth]
            [entryPoints.dashboard.auth.basic]
              users = ["admin:sua_senha_criptografada"]
      
      [api]
      entrypoint="dashboard"
      

      O painel é uma aplicação web separada que será executada no container do Traefik. Vamos definir o painel para executar na porta 8080.

      A seção entrypoints.dashboard configura como nos conectaremos com o provider da api, e a seção entrypoints.dashboard.auth.basic configura a Autenticação Básica HTTP para o painel. Use a saída do comando htpasswd que você acabou de executar para o valor da entrada users. Você poderia especificar logins adicionais, separando-os com vírgulas.

      Definimos nosso primeiro entryPoint, mas precisaremos definir outros para comunicação HTTP e HTTPS padrão que não seja direcionada para o provider da api. A seção entryPoints configura os endereços que o Traefik e os containers com proxy podem escutar. Adicione estas linhas ao arquivo logo abaixo do cabeçalho entryPoints:

      traefik.toml

      
      ...
        [entryPoints.http]
          address = ":80"
            [entryPoints.http.redirect]
              entryPoint = "https"
        [entryPoints.https]
          address = ":443"
            [entryPoints.https.tls]
      ...
      

      O entrypoint http manipula a porta 80, enquanto o entrypoint https usa a porta443 para o TLS/SSL. Redirecionamos automaticamente todo o tráfego na porta 80 para o entrypoint https para forçar conexões seguras para todas as solicitações.

      Em seguida, adicione esta seção para configurar o suporte ao certificado Let's Encrypt do Traefik:

      traefik.toml

      ...
      [acme]
      email = "seu_email@seu_domínio"
      storage = "acme.json"
      entryPoint = "https"
      onHostRule = true
        [acme.httpChallenge]
        entryPoint = "http"
      

      Esta seção é chamada acme porque ACME é o nome do protocolo usado para se comunicar com o Let's Encrypt para gerenciar certificados. O serviço Let's Encrypt requer o registro com um endereço de e-mail válido, portanto, para que o Traefik gere certificados para nossos hosts, defina a chave email como seu endereço de e-mail. Em seguida, vamos especificar que armazenaremos as informações que vamos receber do Let's Encrypt em um arquivo JSON chamado acme.json. A chave entryPoint precisa apontar para a porta de manipulação do entrypoint 443, que no nosso caso é o entrypoint https.

      A chave onHostRule determina como o Traefik deve gerar certificados. Queremos buscar nossos certificados assim que nossos containers com os nomes de host especificados forem criados, e é isso que a configuração onHostRule fará.

      A seção acme.httpChallenge nos permite especificar como o Let's Encrypt pode verificar se o certificado deve ser gerado. Estamos configurando-o para servir um arquivo como parte do desafio através do entrypoint http.

      Finalmente, vamos configurar o provider docker adicionando estas linhas ao arquivo:

      traefik.toml

      
      ...
      [docker]
      domain = "seu_domínio"
      watch = true
      network = "web"
      

      O provedor docker permite que o Traefik atue como um proxy na frente dos containers do Docker. Configuramos o provider para vigiar ou watch por novos containers na rede web (que criaremos em breve) e os expor como subdomínios de seu_domínio.

      Neste ponto, o traefik.toml deve ter o seguinte conteúdo:

      traefik.toml

      defaultEntryPoints = ["http", "https"]
      
      [entryPoints]
        [entryPoints.dashboard]
          address = ":8080"
          [entryPoints.dashboard.auth]
            [entryPoints.dashboard.auth.basic]
              users = ["admin:sua_senha_criptografada"]
        [entryPoints.http]
          address = ":80"
            [entryPoints.http.redirect]
              entryPoint = "https"
        [entryPoints.https]
          address = ":443"
            [entryPoints.https.tls]
      
      [api]
      entrypoint="dashboard"
      
      [acme]
      email = "seu_email@seu_domínio"
      storage = "acme.json"
      entryPoint = "https"
      onHostRule = true
        [acme.httpChallenge]
        entryPoint = "http"
      
      [docker]
      domain = "seu_domínio"
      watch = true
      network = "web"
      

      Salve o arquivo e saia do editor. Com toda essa configuração pronta, podemos ativar o Traefik.

      Passo 2 – Executando o Container Traefik

      Em seguida, crie uma rede do Docker para o proxy compartilhar com os containers. A rede do Docker é necessária para que possamos usá-la com aplicações que são executadas usando o Docker Compose. Vamos chamar essa rede de web.

      • docker network create web

      Quando o container Traefik iniciar, nós o adicionaremos a essa rede. Em seguida, podemos adicionar containers adicionais a essa rede posteriormente para o Traefik fazer proxy.

      Em seguida, crie um arquivo vazio que conterá as informações do Let's Encrypt. Compartilharemos isso no container para que o Traefik possa usá-lo:

      O Traefik só poderá usar esse arquivo se o usuário root dentro do container tiver acesso exclusivo de leitura e gravação a ele. Para fazer isso, bloqueie as permissões em acme.json para que somente o proprietário do arquivo tenha permissão de leitura e gravação.

      Depois que o arquivo for repassado para o Docker, o proprietário será automaticamente alterado para o usuário root dentro do container.

      Finalmente, crie o container Traefik com este comando:

      • docker run -d
      • -v /var/run/docker.sock:/var/run/docker.sock
      • -v $PWD/traefik.toml:/traefik.toml
      • -v $PWD/acme.json:/acme.json
      • -p 80:80
      • -p 443:443
      • -l traefik.frontend.rule=Host:monitor.seu_domínio
      • -l traefik.port=8080
      • --network web
      • --name traefik
      • traefik:1.7.2-alpine

      O comando é um pouco longo, então vamos dividi-lo. Usamos a flag -d para executar o container em segundo plano como um daemon. Em seguida, compartilhamos nosso arquivo docker.sock dentro do container para que o processo do Traefik possa escutar por alterações nos containers. Compartilhamos também o arquivo de configuração traefik.toml e o arquivoacme.json que criamos dentro do container.

      Em seguida, mapeamos as portas :80 e :443 do nosso host Docker para as mesmas portas no container Traefik, para que o Traefik receba todo o tráfego HTTP e HTTPS para o servidor.

      Em seguida, configuramos dois labels do Docker que informam ao Traefik para direcionar o tráfego para o monitor.seu_domínio para a porta :8080 dentro do container do Traefik, expondo o painel de monitoramento.

      Configuramos a rede do container para web, e nomeamos o container para traefik.

      Finalmente, usamos a imagem traefik:1.7.2-alpine para este container, porque é pequena.

      Um ENTRYPOINT da imagem do Docker é um comando que sempre é executado quando um container é criado a partir da imagem. Neste caso, o comando é o binário traefik dentro do container. Você pode passar argumentos adicionais para esse comando quando você inicia o container, mas definimos todas as nossas configurações no arquivo traefik.toml.

      Com o container iniciado, agora você tem um painel que você pode acessar para ver a integridade de seus containers. Você também pode usar este painel para visualizar os frontends e backends que o Traefik registrou. Acesse o painel de monitoramento apontando seu navegador para https://monitor.seu_domínio. Você será solicitado a fornecer seu nome de usuário e senha, que são admin e a senha que você configurou no Passo 1.

      Uma vez logado, você verá uma interface semelhante a esta:

      Ainda não há muito o que ver, mas deixe essa janela aberta e você verá o conteúdo mudar à medida que você adiciona containers para o Traefik trabalhar.

      Agora temos nosso proxy Traefik em execução, configurado para funcionar com o Docker, e pronto para monitorar outros containers Docker. Vamos iniciar alguns containers para que o Traefik possa agir como proxy para eles.

      Com o container do Traefik em execução, você está pronto para executar aplicações por trás dele. Vamos lançar os seguintes containers por trás do Traefik:

      1. Um blog usando a imagem oficial do WordPress.

      2. Um servidor de gerenciamento de banco de dados usando a imagem oficial do Adminer.

      Vamos gerenciar essas duas aplicações com o Docker Compose usando um arquivo docker-compose.yml. Abra o arquivo docker-compose.yml em seu editor:

      Adicione as seguintes linhas ao arquivo para especificar a versão e as redes que usaremos:

      docker-compose.yml

      • version: "3"
      • networks:
      • web:
      • external: true
      • internal:
      • external: false

      Usamos a versão 3 do Docker Compose porque é a mais nova versão principal do formato de arquivo Compose.

      Para o Traefik reconhecer nossas aplicações, elas devem fazer parte da mesma rede e, uma vez que criamos a rede manualmente, nós a inserimos especificando o nome da rede web e configurandoexternal para true. Em seguida, definimos outra rede para que possamos conectar nossos containers expostos a um container de banco de dados que não vamos expor por meio do Traefik. Chamaremos essa rede de internal.

      Em seguida, definiremos cada um dos nossos serviços ou services, um de cada vez. Vamos começar com o container blog, que basearemos na imagem oficial do WordPress. Adicione esta configuração ao arquivo:

      docker-compose.yml

      
      version: "3"
      ...
      
      services:
        blog:
          image: wordpress:4.9.8-apache
          environment:
            WORDPRESS_DB_PASSWORD:
          labels:
            - traefik.backend=blog
            - traefik.frontend.rule=Host:blog.seu_domínio
            - traefik.docker.network=web
            - traefik.port=80
          networks:
            - internal
            - web
          depends_on:
            - mysql
      

      A chave environment permite que você especifique variáveis de ambiente que serão definidas dentro do container. Ao não definir um valor para WORDPRESS_DB_PASSWORD, estamos dizendo ao Docker Compose para obter o valor de nosso shell e repassá-lo quando criamos o container. Vamos definir essa variável de ambiente em nosso shell antes de iniciar os containers. Dessa forma, não codificamos senhas no arquivo de configuração.

      A seção labels é onde você especifica os valores de configuração do Traefik. As labels do Docker não fazem nada sozinhas, mas o Traefik as lê para saber como tratar os containers. Veja o que cada uma dessas labels faz:

      • traefik.backend especifica o nome do serviço de backend no Traefik (que aponta para o container real blog).

      • traefik.frontend.rule=Host:blog.seu_domínio diz ao Traefik para examinar o host solicitado e, se ele corresponde ao padrão de blog.seu_domínio, ele deve rotear o tráfego para o container blog.

      • traefik.docker.network=web especifica qual rede procurar sob o Traefik para encontrar o IP interno para esse container. Como o nosso container Traefik tem acesso a todas as informações do Docker, ele possivelmente levaria o IP para a rede internal se não especificássemos isso.

      • traefik.port especifica a porta exposta que o Traefik deve usar para rotear o tráfego para esse container.

      Com essa configuração, todo o tráfego enviado para a porta 80 do host do Docker será roteado para o container blog.

      Atribuímos este container a duas redes diferentes para que o Traefik possa encontrá-lo através da rede web e possa se comunicar com o container do banco de dados através da rede internal.

      Por fim, a chave depends_on informa ao Docker Compose que este container precisa ser iniciado após suas dependências estarem sendo executadas. Como o WordPress precisa de um banco de dados para ser executado, devemos executar nosso container mysql antes de iniciar nosso containerblog.

      Em seguida, configure o serviço MySQL adicionando esta configuração ao seu arquivo:

      docker-compose.yml

      
      services:
      ...
        mysql:
          image: mysql:5.7
          environment:
            MYSQL_ROOT_PASSWORD:
          networks:
            - internal
          labels:
            - traefik.enable=false
      

      Estamos usando a imagem oficial do MySQL 5.7 para este container. Você notará que estamos mais uma vez usando um item environment sem um valor. As variáveis MYSQL_ROOT_PASSWORD eWORDPRESS_DB_PASSWORD precisarão ser configuradas com o mesmo valor para garantir que nosso container WordPress possa se comunicar com o MySQL. Nós não queremos expor o container mysql para o Traefik ou para o mundo externo, então estamos atribuindo este container apenas à rede internal. Como o Traefik tem acesso ao soquete do Docker, o processo ainda irá expor um frontend para o container mysql por padrão, então adicionaremos a label traefik.enable=false para especificar que o Traefik não deve expor este container.

      Por fim, adicione essa configuração para definir o container do Adminer:

      docker-compose.yml

      
      services:
      ...
        adminer:
          image: adminer:4.6.3-standalone
          labels:
            - traefik.backend=adminer
            - traefik.frontend.rule=Host:db-admin.seu_domínio
            - traefik.docker.network=web
            - traefik.port=8080
          networks:
            - internal
            - web
          depends_on:
            - mysql
      

      Este container é baseado na imagem oficial do Adminer. A configuração network e depends_on para este container corresponde exatamente ao que estamos usando para o container blog.

      No entanto, como estamos redirecionando todo o tráfego para a porta 80 em nosso host Docker diretamente para o container blog, precisamos configurar esse container de forma diferente para que o tráfego chegue ao container adminer. A linha traefik.frontend.rule=Host:db-admin.seu_domínio diz ao Traefik para examinar o host solicitado. Se ele corresponder ao padrão do db-admin.seu_domínio, o Traefik irá rotear o tráfego para o container adminer.

      Neste ponto, docker-compose.yml deve ter o seguinte conteúdo:

      docker-compose.yml

      
      version: "3"
      
      networks:
        web:
          external: true
        internal:
          external: false
      
      services:
        blog:
          image: wordpress:4.9.8-apache
          environment:
            WORDPRESS_DB_PASSWORD:
          labels:
            - traefik.backend=blog
            - traefik.frontend.rule=Host:blog.seu_domínio
            - traefik.docker.network=web
            - traefik.port=80
          networks:
            - internal
            - web
          depends_on:
            - mysql
        mysql:
          image: mysql:5.7
          environment:
            MYSQL_ROOT_PASSWORD:
          networks:
            - internal
          labels:
            - traefik.enable=false
        adminer:
          image: adminer:4.6.3-standalone
          labels:
            - traefik.backend=adminer
            - traefik.frontend.rule=Host:db-admin.seu_domínio
            - traefik.docker.network=web
            - traefik.port=8080
          networks:
            - internal
            - web
          depends_on:
            - mysql
      

      Salve o arquivo e saia do editor de texto.

      Em seguida, defina valores em seu shell para as variáveis WORDPRESS_DB_PASSWORD e MYSQL_ROOT_PASSWORD antes de iniciar seus containers:

      • export WORDPRESS_DB_PASSWORD=senha_segura_do_banco_de_dados
      • export MYSQL_ROOT_PASSWORD=senha_segura_do_banco_de_dados

      Substitua senhaseguradobancodedados pela sua senha do banco de dados desejada. Lembre-se de usar a mesma senha tanto para `WORDPRESSDBPASSWORDquanto paraMYSQLROOT_PASSWORD`.

      Com estas variáveis definidas, execute os containers usando o docker-compose:

      Agora, dê outra olhada no painel de administrador do Traefik. Você verá que agora existe um backend e um frontend para os dois servidores expostos:

      Navegue até blog.seu_domínio, substituindo seu_domínio pelo seu domínio. Você será redirecionado para uma conexão TLS e poderá agora concluir a configuração do WordPress:

      Agora acesse o Adminer visitando db-admin.seu_domínio no seu navegador, novamente substituindo seu_domínio pelo seu domínio. O container mysql não está exposto ao mundo externo, mas o container adminer tem acesso a ele através da rede internal do Docker que eles compartilham usando o nome do container mysql como um nome de host.

      Na tela de login do Adminer, use o nome de usuário root, use mysql para o server, e use o valor que você definiu para MYSQL_ROOT_PASSWORD para a senha. Uma vez logado, você verá a interface de usuário do Adminer:

      Ambos os sites agora estão funcionando, e você pode usar o painel em monitor.seu_domínio para ficar de olho em suas aplicações.

      Conclusão

      Neste tutorial, você configurou o Traefik para fazer proxy das solicitações para outras aplicações em containers Docker.

      A configuração declarativa do Traefik no nível do container da aplicação facilita a configuração de mais serviços, e não há necessidade de reiniciar o container traefik quando você adiciona novas aplicações para fazer proxy, uma vez que o Traefik percebe as alterações imediatamente através do arquivo de soquete do Docker que ele está monitorando.

      Para saber mais sobre o que você pode fazer com o Traefik, consulte a documentação oficial do Traefik.

      Por Keith Thompson



      Source link

      Como Configurar Manualmente um Servidor Prisma no Ubuntu 18.04


      A autora selecionou a Electronic Frontier Foundation para receber uma doação como parte do programa Write for DOnations.

      Introdução

      O Prisma é uma camada de dados que substitui as ferramentas tradicionais de mapeamento relacional de objeto (ORMs) em sua aplicação. Oferecendo suporte tanto para a construção de servidores GraphQL, bem como REST APIs, o Prisma simplifica o acesso ao banco de dados com foco em segurança de tipo e permite migrações de banco de dados declarativas. A segurança de tipo ajuda a reduzir possíveis erros e inconsistências de código, enquanto as migrações de banco de dados declarativas permitem armazenar seu modelo de dados no controle de versão. Esses recursos ajudam os desenvolvedores a reduzir o tempo gasto na configuração de acesso a bancos de dados, migrações e fluxos de trabalho de gerenciamento de dados.

      Você pode fazer o deploy do servidor Prisma, que atua como um proxy para seu banco de dados, de várias maneiras e hospedá-lo remotamente ou localmente. Através do serviço do Prisma, você pode acessar seus dados e se conectar ao seu banco de dados com a API GraphQL, que permite operações em tempo real e a capacidade de criar, atualizar e excluir dados. O GraphQL é uma linguagem de consulta para APIs que permite aos usuários enviar consultas para acessar os dados exatos que eles precisam de seu servidor. O servidor Prisma é um componente independente que fica acima do seu banco de dados.

      Neste tutorial, você irá instalar manualmente um servidor Prisma no Ubuntu 18.04 e executará uma consulta de teste GraphQL no GraphQL Playground. Você hospedará seu código de configuração e desenvolvimento Prisma localmente — onde você constrói de fato a sua aplicação — enquanto executa o Prisma no seu servidor remoto. Ao realizar a instalação manualmente, você terá uma compreensão e uma personalização mais detalhadas da infraestrutura subjacente de sua configuração.

      Embora este tutorial aborde as etapas manuais para implantar o Prisma em um servidor Ubuntu 18.04, você também pode realizar isso de uma forma mais automatizada com a Docker Machine, seguindo este tutorial no site do Prisma.

      Note: A configuração descrita nesta seção não inclui recursos que você normalmente esperaria em servidores prontos para produção, como backups automatizados e failover ativo.

      Pré-requisitos

      Para completar este tutorial, você vai precisar de:

      O Prisma CLI é a principal ferramenta usada para fazer o deploy e gerenciar seus serviços Prisma. Para iniciar os serviços, você precisa configurar a infraestrutura necessária, que inclui o servidor Prisma e um banco de dados para conexão.

      O Docker Compose lhe permite gerenciar e executar aplicações multi-container. Você o utilizará para configurar a infraestrutura necessária para o serviço Prisma.

      Você começará criando o arquivo docker-compose.yml para armazenar a configuração do serviço Prisma em seu servidor. Você usará esse arquivo para ativar automaticamente o Prisma, um banco de dados associado, e configurar os detalhes necessários, tudo em uma única etapa. Uma vez que o arquivo é executado com o Docker Compose, ele irá configurar as senhas para seus bancos de dados, portanto, certifique-se de substituir as senhas para managementAPIsecret e MYSQL_ROOT_PASSWORD por algo seguro. Execute o seguinte comando para criar e editar o arquivo docker-compose.yml:

      • sudo nano docker-compose.yml

      Adicione o seguinte conteúdo ao arquivo para definir os serviços e volumes para a configuração do Prisma:

      docker-compose.yml

      
      version: "3"
      services:
        prisma:
          image: prismagraphql/prisma:1.20
          restart: always
          ports:
            - "4466:4466"
          environment:
            PRISMA_CONFIG: |
              port: 4466
              managementApiSecret: my-secret
              databases:
                default:
                  connector: mysql
                  host: mysql
                  port: 3306
                  user: root
                  password: prisma
                  migrations: true
        mysql:
          image: mysql:5.7
          restart: always
          environment:
            MYSQL_ROOT_PASSWORD: prisma
          volumes:
            - mysql:/var/lib/mysql
      volumes:
        mysql:
      

      Essa configuração faz o seguinte:

      • Lança dois serviços: prisma-db e db.

      • Baixa a última versão do Prisma. No momento da escrita desse artigo, ela é o Prisma 1.20.

      • Define as portas em que o Prisma estará disponível e especifica todas as credenciais para se conectar ao banco de dados MySQL na seção databases.

      O arquivo docker-compose.yml configura o managementApiSecret, que impede que outras pessoas acessem seus dados com conhecimento do seu endpoint. Se você estiver usando este tutorial apenas algo que não seja um deployment de teste, altere o managementAPIsecret para algo mais seguro. Quando fizer isso, guarde isso para que você possa inseri-lo mais tarde durante o processo prisma init.

      Esse arquivo também extrai a imagem Docker do MySQL e define essas credenciais também. Para os propósitos deste tutorial, este arquivo Docker Compose cria uma imagem MySQL, mas você também pode usar o PostgreSQL com o Prisma. Ambas as imagens Docker estão disponíveis no Docker Hub:

      Salve e saia do arquivo.

      Agora que você salvou todos os detalhes, você pode iniciar os containers do Docker. O comando -d diz aos containers para serem executados no modo detached, o que significa que eles serão executados em segundo plano:

      • sudo docker-compose up -d

      Isso irá buscar as imagens do Docker para prisma e mysql. Você pode verificar se os containers do Docker estão sendo executados com o seguinte comando:

      Você verá uma saída semelhante a esta:

      CONTAINER ID        IMAGE                       COMMAND                  CREATED             STATUS              PORTS                    NAMES
      24f4dd6222b1        prismagraphql/prisma:1.12   "/bin/sh -c /app/sta…"   15 seconds ago      Up 1 second         0.0.0.0:4466->4466/tcp   root_prisma_1
      d8cc3a393a9f        mysql:5.7                   "docker-entrypoint.s…"   15 seconds ago      Up 13 seconds       3306/tcp                 root_mysql_1
      

      Com seu servidor Prisma e o banco de dados configurados, agora você está pronto para trabalhar localmente para fazer o deploy do serviço Prisma.

      Passo 2 — Instalando o Prisma Localmente

      O servidor Prisma fornece os ambientes de runtime para seus serviços Prisma. Agora que você tem seu servidor Prisma iniciado, você pode fazer o deploy do seu serviço Prisma. Você executará estas etapas localmente, não no seu servidor.

      Para começar, crie uma pasta separada que irá conter todos os arquivos do Prisma:

      Mova-se pra essa pasta:

      Você pode instalar o Prisma com o Homebrew se você estiver usando o MacOS. Para fazer isso, execute o seguinte comando para adicionar o repositório do Prisma:

      Você pode então instalar o Prisma com o seguinte comando:

      Ou, alternativamente com o npm:

      Com o Prisma instalado localmente, você está pronto para iniciar o novo serviço Prisma.

      Passo 3 — Criando a Configuração para um Novo Serviço Prisma

      Após a instalação, você pode usar o prisma init para criar a estrutura de arquivos para uma nova API de banco de dados Prisma, que gera os arquivos necessários para construir sua aplicação com o Prisma. Seu endpoint estará automaticamente no arquivo prisma.yml, e o datamodel.prisma já conterá um modelo de dados de amostra que você pode consultar na próxima etapa. O modelo de dados serve como base para sua API Prisma e especifica o modelo para sua aplicação. Neste ponto, você está criando apenas os arquivos e o modelo de dados de amostra. Você não está fazendo nenhuma alteração no banco de dados até executar o prisma deploy posteriormente nesta etapa.

      Agora você pode executar o seguinte comando localmente para criar a nova estrutura de arquivos:

      Depois de executar este comando, você verá um prompt interativo. Quando perguntado, selecione, Use other server e pressione ENTER:

      Output

      Set up a new Prisma server or deploy to an existing server? You can set up Prisma for local development (based on docker-compose) Use existing database Connect to existing database Create new database Set up a local database using Docker Or deploy to an existing Prisma server: Demo server Hosted demo environment incl. database (requires login) ❯ Use other server Manually provide endpoint of a running Prisma server

      Em seguida, você fornecerá o endpoint do seu servidor que está atuando como servidor Prisma. Será algo parecido com: http://IP_DO_SERVIDOR:4466. É importante que o endpoint comece com http (ou https) e tenha o número da porta indicado.

      Output

      Enter the endpoint of your Prisma server http://IP_DO_SERVIDOR:4466

      Para o segredo da API de gerenciamento, insira a frase ou senha que você indicou anteriormente no arquivo de configuração:

      Output

      Enter the management API secret my-secret

      Para as opções subseqüentes, você pode escolher as variáveis padrão pressionando ENTER para o service name e service stage:

      Output

      Choose a name for your service hello-world Choose a name for your stage dev

      Você também terá a opção de escolher uma linguagem de programação para o cliente Prisma. Nesse caso, você pode escolher sua linguagem preferida. Você pode ler mais sobre o cliente aqui.

      Output

      Select the programming language for the generated Prisma client (Use arrow keys) ❯ Prisma TypeScript Client Prisma Flow Client Prisma JavaScript Client Prisma Go Client Don't generate

      Depois de terminar o prompt, você verá a seguinte saída que confirma as seleções que você fez:

      Output

      Created 3 new files: prisma.yml Prisma service definition datamodel.prisma GraphQL SDL-based datamodel (foundation for database) .env Env file including PRISMA_API_MANAGEMENT_SECRET Next steps: 1. Open folder: cd hello-world 2. Deploy your Prisma service: prisma deploy 3. Read more about deploying services: http://bit.ly/prisma-deploy-services

      Vá para o diretório hello-world:

      Sincronize estas mudanças com o seu servidor usando prisma deploy. Isso envia as informações para o servidor Prisma a partir da sua máquina local e cria o serviço Prisma no servidor Prisma:

      Nota: A execução do prisma deploy novamente atualizará seu serviço Prisma.

      Sua saída será algo como:

      Output

      Creating stage dev for service hello-world ✔ Deploying service `hello-world` to stage 'dev' to server 'default' 468ms Changes: User (Type) + Created type `User` + Created field `id` of type `GraphQLID!` + Created field `name` of type `String!` + Created field `updatedAt` of type `DateTime!` + Created field `createdAt` of type `DateTime!` Applying changes 716ms Your Prisma GraphQL database endpoint is live: HTTP: http://IP_DO_SERVIDOR:4466/hello-world/dev WS: ws://IP_DO_SERVIDOR:4466/hello-world/dev

      A saída mostra que o Prisma atualizou seu banco de dados de acordo com o seu modelo de dados (criado na etapa prisma init) com um tipo User. Tipos são uma parte essencial de um modelo de dados; eles representam um item da sua aplicação, e cada tipo contém vários campos. Para o seu modelo de dados, os campos associados que descrevem o usuário são: o ID do usuário, o nome, a hora em que foram criados e o horário em que foram atualizados.

      Se você encontrar problemas nesse estágio e obtiver uma saída diferente, verifique novamente se digitou todos os campos corretamente durante o prompt interativo. Você pode fazer isso revisando o conteúdo do arquivo prisma.yml.

      Com seu serviço Prisma em execução, você pode se conectar a dois endpoints diferentes:

      • A interface de gerenciamento, disponível em http://IP_DO_SERVIDOR:4466/management, onde você pode gerenciar e fazer deployment de serviços Prisma.

      • A API GraphQL para o seu serviço Prisma, disponível em http://IP_DO_SERVIDOR:4466/hello-world/dev.

      Você configurou e fez o deployment com sucesso do seu servidor Prisma. Agora você pode explorar consultas e mutações no GraphQL.

      Passo 4 — Executando uma Consulta de Exemplo

      Para explorar outro caso de uso do Prisma, você pode experimentar em seu servidor a ferramenta GraphQL playground, que é um ambiente de desenvolvimento integrado open-source (IDE). Para acessá-lo, visite seu endpoint em seu navegador, da etapa anterior:

      http://IP_DO_SERVIDOR:4466/hello-world/dev
      

      Uma mutação é um termo do GraphQL que descreve uma maneira de modificar — criar, atualizar ou excluir (CRUD) — dados no backend via GraphQL. Você pode enviar uma mutação para criar um novo usuário e explorar a funcionalidade. Para fazer isso, execute a seguinte mutação no lado esquerdo da página:

      mutation {
        createUser(data: { name: "Alice" }) {
          id
          name
        }
      }
      

      Depois de pressionar o botão play, você verá os resultados no lado direito da página.

      Posteriormente, se você quiser procurar um usuário usando a coluna ID no banco de dados, poderá executar a seguinte consulta:

      query {
        user(where: { id: "cjkar2d62000k0847xuh4g70o" }) {
          id
          name
        }
      }
      

      Agora você tem um servidor Prisma e o serviço em funcionamento no servidor, e você executou consultas de teste no IDE do GraphQL.

      Conclusão

      Você tem uma configuração Prisma em funcionamento no seu servidor. Você pode ver alguns casos de uso adicionais do Prisma e os próximos passos no Guia de primeiros passos ou explorar o conjunto de recursos do Prisma no Prisma Docs. Depois de concluir todas as etapas deste tutorial, você tem várias opções para verificar sua conexão com o banco de dados, sendo que uma possibilidade é a utilização do Prisma Client.

      Por Etel Sverdlov



      Source link